Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

O que mudou na habitação desde 2010: preço das casas subiu quase o dobro das rendas

Portugal viu os preços das casas subirem mais de 40% e as rendas aumentarem mais de 15% na última década, segundo dados divulgados pelo Eurostat.

Eurostat
Eurostat
Autor: Redação

Comprar ou arrendar casa ficou mais caro na última década, e nem a pandemia da Covid-19 travou o ritmo de subidas. Desde 2010 e até ao segundo trimestre de 2020, as rendas da habitação aumentaram 14,2% enquanto os preços de venda subiram quase o dobro, cerca de 25%, segundo os dados divulgados pelo Eurostat. Portugal conseguiu superar a média europeia: nos últimos dez anos, os preços para comprar casa no país subiram mais de 40% e as rendas aumentaram mais de 15%.

De acordo com os dados revelados esta quarta-feira (7 de outubro de 2020) pelo gabinete de estatísticas europeu, entre 2010 e o segundo trimestre de 2011, os preços das casas e os arrendamentos na União Europeia (UE) “seguiram trajetórias semelhantes”, contudo, a partir do terceiro trimestre de 2011, seguiram caminhos muito diferentes: as rendas continuaram a aumentar até ao segundo trimestre deste ano enquanto os preços das casas “flutuaram significativamente”.

Diz o Eurostat que, depois de uma queda acentuada entre o segundo trimestre de 2011 e o primeiro trimestre de 2013, os preços das casas permaneceram mais ou menos estáveis ​​entre 2013 e 2014. Logo depois, registou-se um rápido aumento no início de 2015, e desde essa altura que os preços das casas cresceram a um ritmo muito mais rápido que as rendas. Na prática, entre 2010 e o segundo trimestre de 2020, as rendas aumentaram 14,2% e os preços da habitação 25% - quase o dobro.

Eurostat
Eurostat

E a verdade é que os preços das casas cresceram mais que as rendas em vários Estados-membros, nomeadamente em Portugal, que viu os preços das casas subirem mais de 40% e as rendas mais de 15%.

Em termos de preços de venda, no período analisado, os aumentos mais elevados aconteceram na Estónia (+100,5%), Luxemburgo (+ 85,8%), Letónia (+ 77,3%) e Áustria (+ 75,9%). Em sentido inverso, Grécia (-31,0%), Itália (-13,2%), Espanha (-5,6%) e Chipre (-3,0%) registaram as maiores descidas.

Já nas rendas, e na comparação do segundo trimestre de 2020 com 2010, os preços aumentaram em 25 estados-Membros da UE e diminuíram em dois, com os maiores aumentos a verificarem-se na Estónia (+ 135,8%), Lituânia (+ 105,4%) e Irlanda (+ 62,3%). As quedas foram registadas na Grécia (-25,2%) e Chipre (-4,8%).

Eurostat
Eurostat