Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Casas mais eficientes: programa de apoio do Governo já atingiu um milhão em pagamentos

Programa de Apoio a Edifícios mais Sustentáveis tem 521 candidaturas validadas. É possível concorrer até 31 de dezembro de 2021.

ElisaRiva por Pixabay
ElisaRiva por Pixabay
Autor: Redação

O Programa de Apoio a Edifícios mais Sustentáveis, operacionalizado pelo Fundo Ambiental e com o apoio técnico da ADENE – Agência para a Energia, já atingiu um milhão de euros em pagamentos. “Esta verba corresponde a 521 candidaturas validadas pela comissão de avaliação, sendo o valor médio do incentivo atribuído por candidatura de 1.900 euros”, adiantou o Ministério do Ambiente e Ação Climática. Quer isto dizer que já foi atribuído quase um quarto do valor total do apoio (4,5 milhões de euros), isto em menos de três meses – as candidaturas arrancaram em setembro e terminam a 31 de dezembro de 2021. 

“Desde 7 de setembro, data em que abriram as candidaturas na plataforma do Fundo Ambiental, foram já submetidos 2.961 formulários, tendo sido avaliados 1.004. A análise destes pedidos indica que a preferência dos proponentes tem sido pela instalação de painéis fotovoltaicos (50%), bombas de calor e painéis solares (38%), seguindo-se as janelas eficientes (10%)”, lê-se no comunicado do Governo, divulgado esta segunda-feira (23 de novembro de 2020).

Segundo a tutela, o apoio da ADENE, além da análise técnica das candidaturas, deu resposta a quase três mil e-mails e 6.000 chamadas telefónicas

O Programa de Apoio a Edifícios mais Sustentáveis tem uma dotação de 4,5 milhões de euros para 2020 e 2021 e prevê o incentivo às candidaturas elegíveis por ordem de submissão, após a verificação da conformidade dos critérios de elegibilidade. 

Trata-se de uma iniciativa dirigida a pessoas singulares proprietárias de frações ou edifícios de habitação, construídos até ao final de 2006, apoiando medidas e intervenções que promovam a reabilitação, a descarbonização, a eficiência energética, a eficiência hídrica e a economia circular em edifícios.

A taxa de comparticipação das intervenções é de 70%, até ao valor limite estabelecido para cada tipologia de projeto, e cada candidato está limitado a um incentivo total máximo de 15.000 euros, sendo o limite máximo por edifício unifamiliar ou fração autónoma de 7.500 euros. 

Preparámos um guia no qual explicamos tudo sobre os novos apoios que o Governo vai dar para tornar os imóveis mais eficientes. Clica neste link para o consultares. Se ainda tiveres dúvidas, lê este artigo com perguntas e respostas sobre o programa.