Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Renda acessível em Lisboa: autarquia abre concurso para 118 casas em antigos edifícios da SS

São as primeiras habitações reabilitadas nos antigos edifícios da Segurança Social. Situam-se na Praça do Saldanha, Avenida da República e rotunda de Entrecampos.

Um dos edifícios reabilitados com casas a concurso / CML
Um dos edifícios reabilitados com casas a concurso / CML
Autor: Redação

A Câmara Municipal de Lisboa (CML) abriu mais um concurso no âmbito do Programa Renda Acessível (PRA), com 118 apartamentos na Praça do Saldanha, Avenida da República e rotunda de Entrecampos, integralmente constituído pelas primeiras habitações reabilitadas nos antigos edifícios da Segurança Social (SS) adquiridos pela autarquia. O período de candidaturas arrancou esta terça-feira, 6 de abril, e prolonga-se até às 17h00 do dia 5 de maio, de acordo com a informação disponível no site da Câmara.

Os apartamentos têm tipologias que vão do T0 a T4, respondendo assim “às necessidades dos agregados a quem se dirige este investimento municipal”, que marca o primeiro lote de casas reabilitadas para arrendamento para os jovens à procura de casa e famílias de classe média.

Recorde-se que a autarquia lisboeta aprovou em julho de 2019, a aquisição de 11 prédios da Segurança Social, no valor de 57,2 milhões de euros, e decidiu transformar os edifícios vagos, todos localizados em zonas centrais da capital, em habitação para arrendamento acessível e residências universitárias.

O preço médio da renda das primeiras 273 casas entregues no PRA é de 340 euros e as regras de candidatura e valores cobrados são os mesmos para este concurso.

O valor mensal da renda acessível da CML corresponde a 30% (taxa de esforço) multiplicado pelo rendimento mensal líquido do agregado, em duodécimos. Caso o agregado inclua dependentes (conforme a declaração do IRS), a taxa de esforço é reduzida em 2% por cada pessoa dependente.