Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Pandemia faz com que se fique mais em casa em Portugal que na média da Zona Euro

Recomendação “Fique em casa” tem sido mais acatada em território nacional, segundo dados de mobilidade do Google.

Photo by Portuguese Gravity on Unsplash
Photo by Portuguese Gravity on Unsplash
Autor: Redação

Os portugueses terão levado a sério os conselhos deixados ao longo dos últimos meses pelas autoridades, que recomendam as pessoas a ficar em casa em tempos de pandemia da Covid-19. Ou seja, apesar de já ter sido iniciado o desconfinamento progressivo a nível nacional, ainda se fica mais em casa em Portugal que na média da Zona Euro. Esta é uma das conclusões a retirar da análise dos dados de mobilidade do Google.

Segundo o Jornal de Negócios, que se apoia nos referidos dados, desde o início da crise pandémica, a economia nacional tem subidas maiores na mobilidade em torno das residências que as dos parceiros da moeda única. 

“A circulação em torno das residências já vinha a cair desde o início de fevereiro, mas afundou ainda mais a partir de meados de março. Depois, na semana da Páscoa, o regresso das restrições à circulação, juntamente com os dias de feriado, ditou novamente uma mobilidade maior da população junto das suas áreas de residência. Mas na semana passada esse efeito voltou rapidamente a perder-se – há dados até 7 de abril. A circulação em torno dos locais de trabalho evolui, sensivelmente, em espelho com esta”, escreve a publicação.

Uma coisa é certa, conclui o Jornal de Negócios, comparando os dados de Portugal com os dos restantes países da Zona Euro, a recomendação “Fique em casa” tem sido mais acatada em território nacional. As exceções foram o Natal e o Ano Novo, período após o qual o número de infeções aumentou, tendo o país voltado a confinar.