Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Vendas de casas novas em Londres caem para o nível mais baixo desde 2012

Proprietários e compradores adiaram as compras durante a pandemia e apartamentos no centro desvalorizaram-se, revela a Bloomberg, com base em dados do primeiro trimestre.

Photo by Benjamin Davies on Unsplash
Photo by Benjamin Davies on Unsplash
Autor: Redação

As vendas de casas novas em Londres caíram para o nível mais baixo em quase nove anos no primeiro trimestre, uma tendência alavancada pela falta de interesse dos proprietários e pela escassez de compradores para imóveis centrais. As vendas recuaram 39% para 3.703 em comparação com o mesmo período do ano passado, de acordo com dados compilados pela Molior London e citados pela Bloomberg.

O mercado imobiliário londrino já sente, de resto, os efeitos da pandemia, com o espaço e zonas verdes a valorizarem, cada vez mais, as casas suburbanas, ao mesmo tempo que provocam quebras nos preços dos apartamentos. Ainda assim, e depois do primeiro-ministro Boris Johnson ter aliviado as restrições, o sentimento de confiança voltou a aumentar, segundo a Molior.

A Inglaterra começou a reabrir a sua economia após 100 dias de restrições, e agora volta a levantar-se a questão sobre se a popularidade da vida urbana regressará no pós-pandemia. Segundo a Bloomberg, os promotores decidiram esperar para ver o que é que acontecia durante o primeiro trimestre, algo que provocou, também, uma quebra no arranque de obras de nova construção – caíram para o seu nível mais baixo desde 2011.

Além disso, os apartamentos também perderam popularidade, depois de milhares de proprietários descobrirem que os seus edifícios podem ser estruturalmente inseguros por causa do revestimento usado durante a construção, relata a Bloomberg. Muitos proprietários enfrentam o pagamento de milhares de libras em custos depois desta situação ter vindo à tona após a tragédia do incêndio na Torre Grenfell em 2017.

O número de compradores que usam o programa Help to Buy, através do qual o Governo oferece um empréstimo sem juros de até 40% do custo de uma nova casa por cinco anos, também aumentaram.

Muitos proprietários, por outro lado, foram dissuadidos de comprar casas de nova construção à medida que as rendas caíram. Compradores estrangeiros, por exemplo, adquiriram 210 novas casas no trimestre em projetos com pelo menos 12 unidades, menos da metade do valor no mesmo período do ano passado, ainda de acordo com os dados da Molior.