Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Vender uma casa herdada: dicas para fazer um bom negócio

Herdar uma propriedade nem sempre é uma boa notícia. E pode gerar mesmo vários conflitos entre herdeiros. Mas estas dicas podem ajudar.

Gtres
Gtres
Autor: Redação

A pandemia fez subir a taxa de mortalidade em Portugal e no mundo. Esta delicada situação, que atinge sobretudo os idosos, acaba por provocar efeitos no mercado imobiliário: um excesso de casas que os herdeiros colocam à venda, por exemplo. Muitos, na verdade, numa tentativa de desfazerem-se de um “problema”, uma vez que, recorde-se, além dos bens herdados, também as dívidas do falecido (assim como outras despesas) podem passar para os herdeiros.

“Herdar uma propriedade nem sempre é uma boa notícia”, refere Jesús Duque, vicepresidente de Alfa Inmobiliaria. Muitas vezes pode mesmo prejudicar a relação entre herdeiros. “Nem todos querem vender sempre, nem têm a mesma pressa, nem valorizam o imóvel da mesma forma”, afirma o responsável da imobiliária.

Além disso, Duque alerta que as casas de herança costumam ser vendidas entre 10% e 20% abaixo do preço, prejudicando o vendedor. Diante dessa situação, a rede de agências Alfa Imobiliária lançou cinco dicas para evitar que um imóvel sela mal-vendido:

  1. Em primeiro lugar, é fundamental conhecer os termos da herança. Para vender uma casa deste tipo é imprescindível ter previamente aceite a herança e ser o seu dono legal. Em alguns casos, a dívida que vem com a herança é maior do que todos os bens e direitos do falecido, por isso é mais lucrativo para os herdeiros rejeitá-la.
  2. Pensar no futuro da casa. Uma vez que és o dono do imóvel, é necessário decidir o quanto antes, e entre todos os herdeiros, qual será o destino do imóvel. “Quer o futuro da casa seja o arrendamento ou a venda, a nossa recomendação é que essa questão seja abordada no menor tempo possível. Dessa forma, eles evitarão o pagamento de múltiplos impostos, seguros, e outras despesas”.
  3. Valorizar uma reforma da casa. No caso de imóveis onde os idosos passaram os últimos anos, é muito comum que tenham um aspeto pouco atraente para os jovens compradores e que necessitem de diferentes reparações. “Em muitos casos, uma pequena pintura e talvez uma reabilitação do pavimento melhora muito a aparência da casa e permite uma melhor visualização de todas as suas possibilidades”.
  4. Atenção aos preços. “Como sempre dizemos, casas que vão para o mercado com um preço acima do adequado, acabam por ser vendidas abaixo do preço”, refere o gerente. E isso, que para um indivíduo já é mau, quando se trata de distribuir entre vários parentes, costuma também ser a origem de inúmeros atritos e discussões que, em muitos casos, levam alguns a baixar drasticamente o preço da casa para sair do problema assim que possível.
  5. Evitar que um dos herdeiros queira vender a casa contra a vontade dos demais e o faça sem o acordo conjunto. Neste caso, não se trataria de distribuir a herança sem acordo, mas de vender um bem comum sem o acordo de todos os proprietários. “Isso é algo muito mais frequente do que podemos imaginar”, diz o gerente da Alfa Inmobiliaria. A saída mais frequente para este problema é que os restantes herdeiros comprem a sua parte, ou que um dos herdeiros o possa fazer a terceiros. Neste último caso, será necessário recorrer a uma solução judicial que procure a divisão física da casa, se possível, caso contrário colocará o imóvel à venda em sistema de leilão público, que fará o preço de venda cair.

A nossa recomendação a todas as pessoas que se encontram em situação semelhante, diz Duque, é que se informem rapidamente e se deixem aconselhar por um consultor imobiliário especializado, por exemplo.