Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Casas eficientes 2021: mais de cinco milhões de euros em apoios pagos

O programa agora em vigor insere-se no âmbito do PRR e quer melhorar a eficiência energética e hídrica dos edifícios. Tem uma dotação total de 30 milhões.

Casa eficientes 2021: Governo já pagou mais de cinco milhões de euros em apoios
Gtres
Autor: Redação

O Governo anunciou que o Fundo Ambiental já pagou, até ao momento, 3.247 candidaturas do Programa de Apoio a Edifícios + Sustentáveis, o que corresponde à entrega de apoios que já ultrapassam o valor de cinco milhões de euros. Com uma dotação total de 30 milhões de euros, o programa recebeu até ao momento 26.779 candidaturas, das quais 3.486 foram validadas e aceites.

O programa insere-se no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) e quer melhorar a eficiência energética e hídrica dos edifícios, contribuindo também para a recuperação económica pós-pandemia. As candidaturas são validadas por uma equipa que, além do Fundo Ambiental, integra o Laboratório de Energia e Geologia, a ADENE – Agência para a Energia e a Universidade Nova de Lisboa.

O programa financia medidas que promovam a reabilitação, a descarbonização, a eficiência energética, a eficiência hídrica e a economia circular, contribuindo para a melhoria do desempenho energético e ambiental dos edifícios. Em concreto, pretende-se que as medidas a apoiar possam conduzir, em média, a pelo menos 30% de redução do consumo de energia primária nos edifícios intervencionados.

Apoios para casas mais eficientes

O incentivo total máximo do programa é de 7.500 euros (edifício unifamiliar) ou de 15.000 euros (multifamiliar e em propriedade total) e apoia a aquisição e instalação de janelas eficientes, isolamentos de base natural, sistemas de aquecimento e arrefecimento com base em energias renováveis, painéis fotovoltaicos e, ainda, intervenções que visem a eficiência hídrica.

"Face ao sucesso do Programa de Apoio a Edifícios + Sustentáveis, as candidaturas apresentadas ao abrigo desta fase, que venham a ser aprovadas e que não tenham cabimento no orçamento, transitarão para programas similares posteriores, devendo os candidatos guardar toda a documentação exigida", refere, em comunicado, o Ministério do Ambiente e da Ação Climática sobre a segunda fase do programa Edifícios + Sustentáveis.