Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Onde estão os escritórios mais caros do mundo?

Autor: Redação

A zona londrina de West End é o mercado de escritórios mais caro do mundo, pelo segundo ano consecutivo, revela o mais recente estudo semestral Global Prime Office Occupancy Costs, elaborado pela CBRE. E Lisboa está entre as cidades do mundo onde maiores subidas de preços se registaram em 2015.

Nesta zona, os custos de ocupação são de 2.628euros/m²/ano, incluindo renda, impostos locais e taxas de serviço, subindo 2,4% anualmente, com a economia mundial a recuperar e o setor dos serviços no seu quarto ano de expansão.

Londres, neste ranking, é seguida pela zona central de Hong Kong. Já Lisboa e Porto fecharam 2015 com valores de 296,7 euros/m² e187,25 euros/m², respetivamente. E a capital portuguesa integra a lista dos 37 mercados que apresentaram uma subida de 3 ou mais posições no ranking de custos de ocupação, entre 126 mercados.

No continente americano, segundo o estudo da CBRE, o aumento anual foi de 3,1% nos custos de ocupação prime, sobretudo graças ao mercado dos EUA onde o crescimento do emprego estimulou a procura de imobiliário comercial em todo o país, mesmo em alguns mercados suburbanos.

Na região EMEA, os custos de ocupação prime cresceram 2,2%, dando seguimento à recuperação económica, crescendo 1,9% no caso da região da Ásia-Pacífico.

E em 2016 e 2017 o que vai acontecer?

"O setor global dos serviços cresceu a um ritmo estável nos últimos quatro anos, o que ajuda a explicar as melhorias gerais nas rendas e custos dos escritórios em todo o mundo", explica Richard Barkham, Global Chief Economist da CBRE. 

Citado em comunicado, o responsável afirma que "independentemente do facto de alguns mercados terem sido afetados pelo abrandamento do mercado chinês, do petróleo e de outras matérias-primas, esperamos que as economias mais desenvolvidas continuem a crescer em 2016 e 2017, o que combinado com a disponibilidade limitada e os níveis de promoção imobiliária praticamente estagnados, resultará em aumentos de custos entre os 2% e 3%".