Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Vistos de residência na Arábia Saudita custam 193 mil euros

Governo saudita já concedeu 73 vistos ‘premium’ a estrangeiros, mas viver na terra do petróleo tem o seu preço.

David Mark/Pixabay
David Mark/Pixabay
Autor: Redação

A Arábia Saudita já concedeu os primeiros vistos de residência permanente a estrangeiros. São sobretudo médicos, engenheiros e financeiros – de 19 países – que conseguiram das mãos do príncipe herdeiro Mohammed bin Salman a residência permanente na terra do petróleo. Para tal, depositaram 800 mil riyals (193,2 mil euros) nos cofres do reino.

Segundo o Jornal de Negócios, que cita um artigo da Bloomberg, que teve acesso a um comunicado do Centro de Residências Premium do Governo, embora não diga quantos novos residentes permanentes vai receber, o Executivo saudita revela que abriu portas a 73 estrangeiros com vistos ‘premium’.

O programa, aprovado em maio, pretende “atrair investimentos estrangeiros, permitindo que pessoas selecionadas comprem propriedades e negoceiem sem um patrocinador saudita”, refere o documento. Trata-se de um sinal dado de “como o reino saudita está a repensar o papel dos estrangeiros enquanto trabalha para reduzir a dependência da economia do petróleo”.

De recordar que o país já tinha informado que ia abrir as portas a turistas internacionais pela primeira vez, comprometendo-se a fornecer vistos a 49 países, nomeadamente a Portugal.

A Arábia Saudita é tida como um dos países onde os trabalhadores estrangeiros estão sujeitos a algumas das regras de residência mais restritivas do mundo, sendo que quem detém o visto ‘premium’ de residência terá mais facilidade em trocar de emprego, sair do reino e “patrocinar” vistos para familiares, escreve a publicação.