Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Converter alojamento local em arrendamento acessível vai custar 17,4 milhões de euros ao Estado

Valor resulta da soma de comparticipações diretas com benefícios fiscais dados aos proprietários que decidam mudar o regime de exploração dos imóveis

Photo by Vita Marija Murenaite on Unsplash
Photo by Vita Marija Murenaite on Unsplash
Autor: Redação

Para tentar dar uma resposta concertada à crise habitacional e apoiar os proprietários de alojamento local que estejam em dificuldades devido à pandemia da Covid-19, o Governo tem um pacote de 17,4 milhões de euros que visam fomentar a conversão de imóveis que estavam no mercado turístico de curta duração em casas para famílias, com rendas acessíveis. No total, é estimado um investimento anual de 4,5 milhões de euros nas comparticipações do programa de conversão do alojamento local em arrendamento acessível, no âmbito da atual “crise habitacional”, a que acrescem 12,9 milhões de benefícios fiscais.

Segundo o Programa de Estabilização Económica e Social (PEES), publicado em Diário da República no dia 06 de junho de 2020, o financiamento é proveniente do Orçamento do Estado e a medida - que já tinha sido anunciada pelo Governo uns dias antes, sem referência a verbas – é um complemento à “mobilização do património público”.

É uma solução eficaz e rápida face à urgência de resposta à crise habitacional, com o benefício adicional de aumentar as opções disponíveis aos proprietários de alojamento local que se encontrem em dificuldade”, refere o programa.

O plano, tal como explica a Lusa, será concretizado através do apoio a programas municipais de arrendamento para subarrendamento a preços acessíveis, com uma comparticipação a 50% da diferença entre a renda paga e a renda recebida. “Acresce a verba não coletada por via da isenção de tributação em sede de IRS/IRC concedida pelo Programa de Arrendamento Acessível”, indica o executivo, referindo-se aos impostos sobre os rendimentos singulares ou coletivos. No total, o programa – cuja duração não é apontada - tem um peso de 17,4 milhões de euros por ano nos cofres do Estado.

O Governo admite que as dificuldades de acesso à habitação atingem hoje “segmentos da população com rendimentos intermédios, que até recentemente conseguiam encontrar no mercado habitação a custos compatíveis face aos seus rendimentos”. É referido, por outro lado, que a dificuldade de acesso à habitação é “mais premente nas áreas com maior atratividade turística”.

Outras iniciativas para gerar mais oferta de habitação

Já no que se refere ao parque habitacional público, o PEES sublinha que uma parte está desocupada e pode ser disponibilizada, a preços acessíveis, após obras de reabilitação ou construção nova, o que permitirá também dinamizar o setor da construção.

O executivo socialista compromete-se, por isso, a avançar com a identificação dos imóveis disponíveis e com as intervenções necessárias, com um reforço dos recursos humanos do Instituto de Habitação e Reabilitação Urbana (IHRU), que terá afetos as estas tarefas 20 novos efetivos.

Somando este investimento às despesas de serviços e empreitadas para estes objetivos, o Governo estipulou um montante de 48 milhões de euros para a operação relativa ao parque habitacional público.

O Plano de Estabilização inclui ainda, na área da habitação, quatro milhões de euros para empréstimos a famílias que não consigam pagar a casa. Devido à pandemia de covid-19, tinha sido criado um apoio financeiro, concedido pelo IHRU, dirigido a “agregados familiares com quebras significativas de rendimentos e senhorios de baixos recursos”, devendo as famílias ressarcir o instituto seis meses após o financiamento das rendas.

Porém, reconhecendo que, embora o estado de emergência já tenha sido levantado, muitas famílias poderão demorar a ter estabilidade financeira, o Governo decidiu agora que o apoio do IHRU vai ser estendido até setembro e que, para as famílias mais vulneráveis, o empréstimo possa ser convertido em subsídio não reembolsável, ou seja, sem devolução da verba.

“O apoio adicional a estas famílias irá assim garantir que estas podem permanecer na sua habitação, evitando novas situações de precariedade habitacional. Para esta medida, estima-se que o apoio financeiro possa chegar aos quatro milhões de euros em empréstimos concedidos, dos quais cerca de 1,5 milhões de euros poderão ter de ser convertidos em subsídios não reembolsáveis”, refere o documento.