Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Procuram-se trabalhadores: "boom" no turismo faz disparar emprego no setor hoteleiro

Stephen Leonardi/Unsplash
Stephen Leonardi/Unsplash
Autor: Redação

Portugal recebeu perto de 21 milhões de turistas em 2017. Muitos turistas, novos hotéis... mas poucos trabalhadores. É que se antes sobravam os candidatos, agora sobram as vagas. O "boom" do turismo trouxe uma consequência imprevista: a escassez de trabalhadores, mas não de empregos. Há hotéis a precisar de profissionais, mas não conseguem encontrá-los.

Para a empresária Chitra Stern, a recuperação económica em Portugal está a trazer uma consequência imprevista. A responsável contou à Bloomberg que, quando ela e o marido decidiram abrir o seu primeiro hotel em Portugal, em 2010, não tiveram dificuldades em encontrar trabalhadores. Visitaram algumas escolas de hotelaria, publicaram anúncios e em pouco tempo entrevistaram candidatos para o Martinhal Sagres Beach Family Resort Hotel. Nessa altura, e fruto da recessão que o país começava a enfrentar, era muito fácil encontrar pessoas qualificadas.

Mas a verdade é que o cenário mudou. Agora, e passados oitos anos, Chitra possui quatro hotéis no país com o marido, mas diz que simplesmente não consegue encontrar trabalhadores portugueses suficientes. “Com o 'boom' do turismo, agora enfrentamos uma escassez de trabalhadores, não de empregos”, referiu.

Portugal está a preparar-se para a temporada de verão, que se avizinha agitada, e o setor começa a manifestar alguma preocupação com a capacidade de lidar com o fluxo de visitantes. De recordar que em 2017 Portugal bateu um recorde de turistas, ao receber perto de 21 milhões de pessoas, que originaram 15.000 milhões de euros em receitas. No ano passado, os estabelecimentos hoteleiros registaram 20,6 milhões de hóspedes e 57,5 milhões de dormidas. E os números não param de aumentar: espera-se que até 2019 sejam inauguradas 115 novas unidades hoteleiras.

Baixos salários alimentam problema

“Nós até podemos encontrar diretores, mas temos dificuldades em preencher as vagas mais básicas”, disse entretanto Raul Martins, diretor da Associação da Hotelaria de Portugal (AHP), que representa cerca de 600 empresas hoteleiras.

Citado pela Bloomberg, o responsável, que também é o presidente da cadeia de hotéis Altis, estima que há um déficit de cerca de 40.000 trabalhadores para hotéis. Os baixos salários podem fazer parte do problema. Portugal é o país mais barato da Europa Ocidental, depois de Malta, em termos de custos de trabalho por hora, de acordo com dados compilados pela Eurostat.

Embora as receitas hoteleiras e o número de visitantes tenham alcançado picos recorde, o salário líquido dos trabalhadores de hotéis, restaurantes e profissões similares aumentou apenas 7,7% entre 2011 e 2017, para 632 euros por mês, de acordo com o Instituto Nacional de Estatística de Portugal (INE). Os empregados de hotéis ganham em média 1.035 euros por mês, segundo Raul Martins, citando um estudo da AHP.