Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Guerra de spreads: Santander com o valor mais baixo entre grandes bancos

Autor: Redação

A guerra de "spreads" no crédido à habitação está, novamente, ao rubro. Agora, o Santander Totta decidiu baixar a margem mínima para financiar a compra de casa para 1,5%, passando assim a ser a instituição que oferece o valor mais baixo entre os bancos de maior dimensão a operar no mercado nacional. O pontapé de saída neste rumo descendente dos 'spreads' foi dado pelo BES, atual Novo Banco, no verão de 2013.

O valor cobrado pelo banco liderado por Vieira Monteiro aos clientes que oferecem o risco de incumprimento mais baixo compara com uma margem mínima de 1,75% em vigor na CGD e no BCP e de 1,95% no caso do Novo Banco e do BPI, segundo dados apontados pelo Diário Económico. Apenas duas instituições fazem ofertas acima dos 2%. O Montepio dá 2,05% e o BIC fica-se pelo 2,1%.

Bankinter e Deutsche Bank também na corrida pelos spreads baixos

O Bankinter é o único banco que apresenta um ‘spread’ mínimo mais baixo do que o Totta. O banco espanhol que comprou os ativos do Barclays em Portugal oferece um ‘spread’ mínimo de 1,25%, como parte da estratégia de entrada no mercado nacional.

Ao mesmo nível do Santander Totta encontra-se, segundo escreve o jornal, o Deutsche Bank que também cobra 1,5% de ‘spread’ mínimo. Mas neste caso, o banco alemão exige que, pelo menos no primeiro ano, o crédito apresente uma taxa fixa, com o objetivo de proteger-se do rumo negativo das Euribor.

Os dados do Banco de Portugal, no último ano terminado em março, mostram que os novos empréstimos para a compra de casa concedidos em Portugal ascenderam a mais de 4,5 mil milhões de euros. Este valor representa uma subida de 78% face ao período homólogo.