Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Guia de sobrevivência do crédito à habitação: as garantias que exigem os bancos

Photo by Trent Erwin on Unsplash
Photo by Trent Erwin on Unsplash
Autor: Redação

Os bancos estão em guerra para dar mais crédito à habitação. Esta é uma oportunidade a aproveitar por quem pensa comprar casa. Ainda assim nem tudo são rosas neste processo. Por isso mesmo, o idealista/news preparou, com a ajuda da Deco – Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor, um guia de sobrevivência na hora de pedir um crédito à habitação, que estamos a publicar semanalmente. Hoje contamos-te o que pedem os bancos, como garantias, para que ninguém seja apanhado desprevenido.

Quando se pede um crédito à habitação o banco pode solicitar algumas garantias, que devem ser equilibradas, para que o empréstimo seja aprovado. Não basta ter uma taxa de esforço reduzida ou um emprego estável. Em regra, os bancos exigem, em mais garantias para conceder esse crédito. O banco quer precaver-se para o caso de falharem as prestações do empréstimo, assegurando assim recuperação do montante que nos emprestou.  

Por isso, se estás a pensar comprar casa e pedir um empréstimo, deves conhecer as garantias que poderão ser solicitadas e que devem contribuir para que tenhas compromissos financeiros responsáveis:  

  • Hipoteca sobre o imóvel 

Esta é geralmente uma das condições para a aprovação do crédito habitação. O imóvel serve de garantia bancária sobre o capital que é emprestado, desta forma se deixares de pagar o empréstimo, poderás ser confrontados com um processo em tribunal que poderá levar à venda do imóvel. Logo, um dos aspetos essenciais no processo de aprovação e contratação de crédito habitação é a avaliação do imóvel que se está a adquirir e o seu valor de mercado. 

  • Fiadores 

A existência de um fiador é outra das garantias exigidas pelo banco e, novamente, visa garantir o cumprimento do empréstimo. O fiador é a pessoa que dá garantias pessoais, sob a forma de fiança, através dos seus bens patrimoniais, de pagamento das dívidas de um devedor.  

Quando o consumidor não conseguir cumprir a sua parte do pagamento da dívida, o fiador fica obrigado a fazê-lo e assume esse compromisso, ou seja, deverá pagar tudo o que o consumidor / devedor não conseguiu. 

  •  Seguro de Vida 

Em grande parte das situações a celebração de um seguro de vida é uma condição obrigatória para a aprovação do respetivo empréstimo. Não sendo obrigatório por lei, é um mecanismo de proteção adicional para o segurado e para o banco. Embora possa ser interpretado como um custo adicional associado ao crédito, deve ser visto como uma garantia para a família que pretende contratar o crédito habitação. 

  • Entrada de capital 

Os banco exigem uma entrada inicial que funciona como uma garantia e um indicador, isto porque quanto mais capital próprio os consumidores investirem na compra da casa, maior será o seu interesse em que tudo corra bem durante o empréstimo. 

Aliás, a Recomendação do Banco de Portugal determina que nos pedidos de crédito para habitação própria e permanente o valor do loan-to-value (LTV), ou seja, a relação entre o valor do imóvel e o montante de empréstimo, não deve ser superior a 90%.

Isto significa que geralmente poderá ser necessário uma entrada na compra do imóvel equivalente a 10% do seu valor de compra.  

Segue-nos na próxima semana para saber mais.