Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Prestação da casa indexada à Euribor a 3 e 6 meses sobe em novembro

En causa está uma simulação da Deco/Dinheiro&Direitos para um empréstimo a 150.000 euros a 30 anos e com um spread de 1%.

olafpictures/Pixabay
olafpictures/Pixabay
Autor: Redação

Quem pediu dinheiro emprestado ao banco para comprar casa e tem os respetivos créditos à habitação indexados às taxas Euribor a 3 e 6 meses vai ver a prestação subir em novembro, em relação a outubro. Em causa está uma simulação da Deco/Dinheiro&Direitos.

Seundo as contas da Deco, citadas pela Lusa, no caso da Euribor a 3 meses a mensalidade a pagar ao banco aumentará 0,33 euros, para 454,53 euros, enquanto no caso da Euribor a 6 meses – a mais usada em Portugal – subirá 2,13 euros, para 457,92 euros. 

Para chegas a estes números foi tido em conta um financiamento de no valor de 150.000 euros a 30 anos com um spread (margem de lucro do banco) de 1%. Recorde-se que as taxas Euribor são o principal indexante em Portugal nos contratos de crédito à habitação.

A média das taxas Euribor de outubro usada pela Deco na simulação foi de -0,362% para a taxa a 6 meses e de -0,413% para a taxa a 3 meses, escreve a Lusa.

Será que a prestação vai mesmo subir?

Contas bem diferentes fez o ECO, que concluiu que as prestações baixam este mês em todos os prazos – Euribor a 3, 6 e 12 meses – para um novo mínimo histórico: as reduções nos encargos mensais vão dos 0,71% aos 2,2%. 

Para chegar a estes números, a publicação considerou o cenário de um empréstimo de 100.000 euros a 30 anos com um spread de 1%. Feitas as contas, as famílias cujos contratos estejam associados à Euribor a 3 meses veem a prestação descer 0,71% (2,17 euros), para 302,98 euros, o valor mais baixo de sempre.

No caso dos contratos indexados à Euribor a 6 meses, a prestação desce 1,9% (5,9 euros), para 305,24 euros, sendo esta a maior quebra desde a revisão feita em maio de 2016. 

Já as famílias com crédito associado à Euribor a 12 meses sentem o maior corte de prestação desde a revisão de novembro de 2015: 2,2% (6,83 euros), para 307,78 euros.