Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Pagar a prestação da casa a “tempo e horas”? Portugueses estão mais cumpridores

Photo by Julian Dik on Unsplash
Photo by Julian Dik on Unsplash
Autor: Redação

O número de pessoas a falhar o pagamento da prestação da casa ao banco está a diminuir. Quer isto dizer que, apesar das dívidas ascenderem a montantes muito elevados, o crédito à habitação está a apresentar menor incumprimento. No primeiro semestre do ano, as instituições iniciaram 37.888 processos PERSI (procedimento extrajudicial de regularização de situações em incumprimento), envolvendo 30.193 contratos crédito à habitação e hipotecário e um montante total em dívida de 1391,7 milhões de euros. Estes contratos apresentaram um rácio de incumprimento de 1,3%.

Os dados divulgados pelo Banco de Portugal (BdP), na Sinopse das Actividades de Supervisão Comportamental, mostram que, face ao segundo semestre de 2018, o número de processos PERSI iniciados diminuiu 6,4%. No primeiro semestre de 2019, foram concluídos 36.783 processos PERSI, que envolveram 26.204 contratos de crédito à habitação e hipotecário e um montante total em dívida de 1233,7 milhões de euros. Estes contratos apresentaram um rácio de incumprimento de 1,4%.

No final de junho, encontravam-se em fase de análise ou de negociação 23.112 processos. A maioria daqueles que são relativos a crédito à habitação e hipotecário que foram concluídos na primeira metade do ano permitiu a regularização das situações de incumprimento (64,5%), uma percentagem ligeiramente inferior à registada no segundo semestre de 2018 (65,6%).

Pagamentos em mora regularizam maioria dos casos

“O motivo mais indicado pelas instituições de crédito para o encerramento dos processos PERSI continuou a ser o pagamento dos montantes em mora pelos clientes bancários (62,6% dos processos encerrados no primeiro semestre do ano)”, lê-se no documento.

Em termos relativos, em 1,9% dos processos concluídos no primeiro semestre de 2019, foi celebrado um acordo entre a instituição de crédito e o cliente bancário, proporção inferior à verificada no semestre anterior (2,1%). “Em contrapartida, aumentou a proporção de processos PERSI concluídos por falta de acordo entre as partes (de 30,5%, no segundo semestre de 2018, para 31,5%, no primeiro semestre de 2019)”, refere ainda o regulador.

A renegociação dos termos e condições dos contratos foi a solução acordada em 650 processos PERSI, representando um montante renegociado de 13,4 milhões de euros. Entre as condições renegociadas nestes contratos destacou-se ainda a introdução de períodos de carência de capital e/ ou juros (64 processos).