Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Retornos anuais das famílias (muito) ricas disparam graças à subida das ações

Jornal de Negócios/Bloomberg
Jornal de Negócios/Bloomberg
Autor: Redação

Os “family offices” mundiais obtiveram retornos médios de 15,5% no ano passado, bem mais que em 2016 (7%) e em 2015 (0,3%). Os asiáticos lideraram a lista, com um retorno de 16,4% em 2017, impulsionados pela valorização dos mercados de ações e de “private equity”.

Segundo o Jornal de Negócios, que se apoia num artigo da Bloomberg – os dados são relativos ao quinto relatório anual do UBS e da Campden Wealth –, as famílias ultra ricas duplicaram os retornos anuais graças à subida das ações.

O ritmo dos novos "family offices" acelerou sobretudo na última década, impulsionado pela ascensão da riqueza asiática, sendo que o UBS estima que a cada dois dias surge um novo multimilionário na China. A Ásia acolhe, de resto, 25% dos participantes do ranking da Bloomberg das 500 pessoas mais ricas do mundo, atrás apenas da América do Norte.