Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Intermediários de crédito em tempos de pandemia: conselhos para evitar burlas

Deco diz que tem tido conhecimento de relatos de consumidores que foram vítimas de burlas relacionadas com falsos intermediários de crédito.

Imagem de CannonGuy por Pixabay
Imagem de CannonGuy por Pixabay
Autor: Redação

Muitas pessoas viram-se obrigadas, em tempos de crise pandémica, a pedir dinheiro emprestado para fazer face às despesas mensais que têm, nomeadamente devido à perda de rendimentos. A solução pode passar por recorrer a um intermediário de crédito, uma opção que deve, no entanto, ser tomada com as devidas cautelas, de forma a evitar burlas. Explicamos tudo sobre este assunto no artigo de hoje da Deco Alerta.

A Deco Alerta é uma rubrica semanal destinada a todos os consumidores em Portugal que é assegurada pela Deco – Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor* para o idealista/news.

Estou a atravessar uma fase muito difícil. O meu marido está sem emprego desde agosto e eu passei a part-time. Os nossos rendimentos diminuíram em mais de metade. Um amigo recomendou-nos que recorrêssemos a um intermediário para obter um crédito, mas temos receio de sermos enganados por falsos profissionais. Peço a vossa ajuda e esclarecimentos!

Tens razão em recear! Têm chegado até à Deco muitos relatos de consumidores que foram vítimas de burlas relacionadas com falsos intermediários de crédito e que contribuem para o agravamento da situação financeira das famílias.

Queremos desde já alertar-te para o esquema mais básico, embora saibamos de outros certamente mais complexos, que passa pela recolha dos dados do consumidor pela entidade financiadora (que poderá ser apenas um indivíduo ou um grupo de indivíduos) e pela simulação da análise da viabilidade da concessão do empréstimo. 

Posteriormente, o consumidor é informado de que o crédito foi aprovado e é-lhe então solicitada a transferência de um montante para finalizar o empréstimo. Frequentemente é mesmo enviado um comprovativo falso a indicar que a transferência do valor do empréstimo já foi efetuada, encontrando-se a creditação do valor na conta do consumidor pendente do pagamento de uma quantia referente a despesas de processo, comissão de aprovação do crédito, pagamento do Imposto de Selo, etc.

Na maioria dos casos, trata-se de um valor na ordem de algumas centenas de euros, e, ao ser efetuado o pagamento, é consumada a burla. Se estivesses nesta situação ficarias sem o crédito e sem o dinheiro pago, e sem conseguir contactar com a alegada entidade financiadora.

Como prevenir estas situações?

Deves adotar uma postura preventiva, consultando a lista de entidades de autorizadas a conceder crédito em Portugal, de forma a confirmar se aquela entidade se encontra legalmente registada.

Deves, também, estar atento a vários indícios ou sinais que te façam suspeitar de que se trata de uma burla: 

  • Contactos telefónicos inexistentes ou escassos (p. ex. apenas é indicado um número de telemóvel), números do estrangeiro; 
  • Morada em território estrangeiro ou um simples apartado; 
  • Endereço de e-mail não institucional (Gmail, Hotmail, Yahoo, etc.); 
  • Páginas na internet ou em redes sociais com erros ortográficos ou de construção frásica evidenciam o recurso a um tradutor online;
  • Testemunhos pouco verídicos por parte de terceiros que procuram atestar a fiabilidade das entidades financiadoras;
  • Inexistência de referências sobre aquela entidade em outros sites sobre aquela entidade financiadora, ou referências negativas, tais como reclamações e denúncias;
  • Aprovação de crédito de forma célere (numa questão de horas/dias) e desburocratizada (não lhe é exigida qualquer documentação).

Informa-te e está atenta aos sinais. O recurso a entidades não autorizadas para conceder crédito e/ou para a intermediação de crédito poderá resultar em graves danos para os consumidores.

*Conta com o apoio do gabinete de proteção financeira da Deco através dos números de telefone 21 371 02 38 ou 22 339 19 61 e dos emails gas@deco.pt ou gas.norte@deco.pt. Podes também marcar atendimento via skype. Segue-nos na página de Facebook, Twitter, Instagram, Youtube e Linkedin.