Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Património líquido dos portugueses é o mais elevado de sempre: 708 mil milhões de euros

Património líquido dos portugueses aumentou 5,7% num ano, em 2020 face a 2019, para 708 mil milhões de euros, um novo máximo.

ECO
ECO
Autor: Redação

Em 2020, ano marcado pelo súbito aparecimento da pandemia da Covid-19, os portugueses reforçaram o seu património líquido. Entre ativos financeiros (como depósitos bancários ou ações) e imobiliário (casa própria), os portugueses tinham ao todo 708,1 mil milhões de euros no final do ano, mais 5,7% (38,1 mil milhões de euros) que em 2019.

Segundo o ECO, que se apoia em dados do Banco de Portugal (BdP), o património líquido corresponde aos ativos (como os depósitos bancários, ações ou casa própria) subtraídos dos passivos (dívidas como o crédito à habitação). Recentemente o banco central atualizou esta série estatística que começa em 1997 com dados para 2020, mas é de assinalar que não é descontado o efeito da inflação ao longo dos anos, escreve a publicação.

A justificar esta evolução num ano de crise pandémica está, de acordo com o BPI – no “Pulso Económico” divulgado esta segunda-feira (10 de maio de 2021) –, “a valorização do mercado imobiliário e de ativos de rendimento variável, o suporte dado às famílias em ano de pandemia e o aumento da poupança”.