Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

O truque para conseguires o reembolso do IRS mais cedo

Autor: Redação

És um dos contribuintes com direito à declaração automática e estás à espera de receber o reembolso duas semanas após a submissão do modelo 3 do IRS, cujo prazo termina a 31 de maio? Fica então a saber que isso só irá acontecer se acederes ao Portal das Finanças, entrares nas declarações automáticas, verificares se os rendimentos, retenções na fonte, sobretaxa e deduções à coleta estão devidamente considerados e confirmares os valores. Caso contrário, o dinheiro dos impostos só te irá chegar a partir de junho.

No ano passado, a devolução do IRS ocorreu num prazo médio de 36 dias, pelo que este ano o reembolso para os contribuintes com direito a declaração automática deveria chegar em sensivelmente duas semanas após a submissão do modelo 3 do IRS, segundo a promessa do Governo de que o irá fazer em metade do tempo. 

Acontece que, após o prazo para entrega das declarações de rendimentos referentes a 2016, o sistema informático da administração fiscal tem de considerar como válida a declaração automática preenchido com as informações em poder do fisco. Isto, tal como explica o Portal do Arrendamento, permite que o contribuinte fique com a situação fiscal regularizada, mas implica que só receba o reembolso mais tarde, uma vez que o prazo para a devolução do imposto que eventualmente tenha sido pago em excesso começa a contar a partir do momento em que a declaração é submetida.

Evitar problemas futuros com as Finanças

O IRS Automático, que arranca este ano, está disponível para perto de 1,4 milhões de agregados, ou seja 1,8 milhões de contribuintes que têm rendimentos das categorias A e H e que não têm filhos. 

Além de receber mais depressa, avisa o portal, ao confirmar a declaração automática, o contribuinte estará também a diminuir a probabilidade de dissabores caso venha a ser alvo de uma inspeção fiscal. Os dados disponíveis nas finanças e pré-preenchidos podem conter erros que ao não serem detetados e corrigidos pelo contribuinte lhe podem trazer complicações mais tarde.