Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Fundo com 200 milhões à procura de imóveis para residências de estudantes no Porto e Coimbra

Edifício dos CTT junto à Av. Liberdade , fotografado pelo Expresso, estava devoluto desde 2010
Autor: Redação

O setor imobiliário já tinha dado sinais de que este seria um ano forte na área das residências de estudantes. O primeiro grande investimento chega agora com o anúncio da conversão do antigo edifício dos CTT, um grande imóvel dos anos 60 em pleno coração de Lisboa. O projeto será levado a cabo pela Temprano Capital Partners, fundo de investimento que há quatro meses adquiriu o Focus Park, retail park em Gaia.

Localizado na Rua do Conde Redondo, nas imediações da Avenida da Liberdade (o eixo caro do país), o imóvel que era dos CTT vai ser transformado numa residência de estudantes com capacidade para 330 estúdios, segundo avança o Expresso.

Grande imóvel ao lado da Av. da Liberdade

Encerrado há mais de seis anos, o imóvel com quase 11 mil metros (m 2) que aguarda licenciamento para avançar para obras de remodelação, foi agora comprado pela Temprano Capital Partners, empresa europeia de investimento e gestão de ativos (centrada em oportunidades na Península Ibérica), que se aliou numa joint-venture com a Carey European Student Housing Fund, dos americanos da W.P. Carey.  

"Vamos fazer uma reconversão total do espaço e se tudo correr de dentro do previsto esperamos ter tudo funcional em setembro de 2017, no início do ano letivo", escreve o jornal, citando James Preston, diretor-executivo da Temprano. 

E os projetos da empresa na área de residências de estudantes não se ficam por aqui em Portugal e está já a procurar ativamente mais imóveis para reconverter em alojamento para estudantes não só em Lisboa, mas também no Porto e Coimbra.  

Os investimentos em Portugal

Os critérios, segundo adiantou o gestor ao semanário, serão os mesmos dos que foram aplicados no imóvel do Conde Redondo: "Não é fácil encontrar um imóvel desta dimensão, pois não há muitos devolutos, mas é isto que procuramos: edifícios com escala, acesso aos transportes públicos e centralidade. Como este em que os estudantes podem, em poucos minutos a pé, estar na Rotunda do Marquês".  

Depois de investir fortemente em Espanha, o fundo orientou agora a agulha para Portugal. Além desta área de negócio dos estudantes, a Temprano tem ainda interesse em investir em ativos de retalho e de escritórios. No total, o fundo diz ter entre 100 a 200 milhões de euros para investir de norte a sul do país nos próximos 24 meses.