Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Estado compra edifício de escritórios em Lisboa com 3.200 m2 e 11 pisos

Imóvel estava nas mãos do fundo EREF I e foi adquirido pelo fundo Imopoupança, gerido pela Fundiestamo, do grupo Parpública.

CBRE
CBRE
Autor: Redação

O Edifício 5 de Outubro 124, localizado numa zona central de Lisboa, foi comprado pelo Fundo Especial de Investimento Imobiliário Aberto (FEIIA) Imopoupança, gerido pela Fundiestamo, do grupo Parpública, que gere o património imobiliário do Estado. O imóvel de escritórios – tem uma área de cerca de 3.200 metros quadrados (m2), distribuídos por 11 pisos acima do solo – estava nas mãos do fundo EREF I, que tem como investment adviser a Explorer Investments. O valor do negócio não foi revelado.

Segundo a CBRE, responsável pela transação, o edifício tem ainda uma unidade de retalho no piso térreo e dispõe de 62 lugares de estacionamento em cave. 

“O 5 de Outubro 124 foi recentemente alvo de obras de melhoria dos seus interiores, tendo por objetivo a reabilitação e a modernização das zonas comuns, com projeto da responsabilidade da empresa Broadway Malyan”, refere a consultora, em comunicado.

Segundo Nuno Nunes, Diretor de Capital Markets da CBRE, esta transação comprova “que os investidores institucionais continuam a ter uma perspetiva muito positiva quanto à evolução futura do setor dos escritórios”. “No entanto, conscientes de que poderão existir alguns constrangimentos de curto prazo, a preferência destes investidores vai claramente para produtos ‘core’ em boas localizações e com contratos mais longos. Para este tipo de produtos de investimento notamos inclusivamente alguma tendência de subida dos preços”, comenta, citado na nota.

Pedro Seabra, Senior Partner da Explorer Investments para a área de Real Estate, refere que se tratou de um negócio “paradigmático do trabalho de criação de valor da equipa da Explorer Investments, que adquiriu este edifício e em três anos levou a cabo uma modernização” do mesmo. 

Para Paula d’Orey, Administradora Executiva da Fundiestamo - Sociedade Gestora do Fundo Especial de Investimento Imobiliário Aberto Imopoupança, esta aquisição vem evidenciar que a atividade imobiliária em Portugal continua a ter boas oportunidades de negócio e que é possível fazer bons investimentos em tempos de pandemia da Covid-19: “Foi uma excelente oportunidade de negócio para o Fundo Imopoupança, uma vez que se encontra inteiramente alinhada com a estratégia e política de investimentos, que visa também a aquisição de imóveis localizados em zonas prime com potencial de valorização e rentabilidade associada a contratos de arrendamento”.