Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Lisboa: tribunal suspende construção do Museu Judaico em Alfama

CML
CML
Autor: Redação

A construção do Museu Judaico em Lisboa – em Alfama – está suspensa por ordem do Tribunal Central Administrativo Sul, que aceitou a providência cautelar entregue em setembro de 2017 pela Associação do Património e População de Alfama (APPA). A entidade contesta o projeto de arquitetura e o local escolhido para o museu.

Segundo o Público, o tribunal suspendeu a eficácia das decisões tomadas pela Câmara Municipal de Lisboa (CML) que viabilizaram a construção do museu no Largo de São Miguel. O projeto, da arquiteta Graça Bachmann em colaboração com Luís Neuparth e Pedro Cunha, é um edifício com duas fachadas – uma delas tem uma Estrela de David em baixo relevo e pedra lioz.

Para Lurdes Pinheiro, presidente da APPA, esta arquitetura “corta com a tradição do bairro” e “descaracteriza o Largo de São Miguel”, um dos principais espaços públicos de Alfama. A associação queixa-se, sobretudo, da altura e da volumetria previstas no projeto, que considera serem excessivas para o largo e para a Igreja de São Miguel, na esquina oposta, escreve a publicação. 

O facto da igreja ser considerada Imóvel de Interesse Público e do Núcleo Histórico de Alfama e Colina do Castelo ter um plano de urbanização foram alguns dos argumentos usados pela APPA na ação judicial.

Numa fase inicial, a CML ganhou, tendo os trabalhos de demolição de casas arrancado, mas agora o tribunal deu razão à APPA, ordenando a paragem das obras e condenando a autarquia a pagar as custas judiciais de ambas as instâncias.

“Nós vamos até ao fim para impedir aquela arquitetura no largo, que o vai descaracterizar completamente. Nós não estamos contra o museu, estamos é contra aquele projeto”, disse Lurdes Pinheiro. 

De acordo com o diário, a APPA, assim como o Fórum Cidadania Lx, propõem que o museu seja instalado na Rua do Jardim do Tabaco, onde há atualmente vários edifícios devolutos. 

A construção do Museu Judaico é uma iniciativa da CML, da Associação de Turismo de Lisboa e da Comunidade Israelita de Lisboa. De referir que o museu foi anunciado publicamente em setembro de 2016.