Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Edifício Pharmacia no Porto chega ao mercado com preços médios de 5.100 euros/m2

O projeto residencial, promovido pelo Grupo Violas Ferreira, é constituído por 49 apartamentos destinados ao segmento alto.

Grupo Violas Ferreira
Grupo Violas Ferreira
Autor: Redação

O condomínio residencial de luxo que está a nascer no edifício da antiga Faculdade de Farmácia do Porto, na zona de Cedofeita, terá 49 apartamentos, com preços médios de venda de 5.100 euros por metro quadrado(m2), posicionando-o num segmento de mercado alto. A comercialização oficial do empreendimento do Grupo Violas Ferreira está prevista para arrancar em abril deste ano. Em fase de pré-comercialização, o imóvel está já a ser lançado em eventos internacionais e a ser apresentado à carteira de clientes.

Contemplando a construção de um edifício novo nas traseiras, onde fica localizada a maior parte dos apartamentos – o edifício da faculdade de farmácia, em fase de reabilitação, conta com oito apartamentos – este projeto assinado pelo arquiteto Duarte Morais Soares, tem previsto um jardim interior onde o promotor pretende colocar algumas plantas medicinais. 

As áreas dos apartamentos variam entre os 86 m2 dos T0 e os 252 m2 dos T4, o que permite – nas frações do edifício antigo -, potenciar o pé direito alto e as janelas amplas. Apesar de a fachada manter os três pisos de sempre, alguns andares irão ser duplex.

Tiago Violas Ferreira, presidente executivo do grupo Violas Ferreira, espera um valor total de vendas de 35 milhões de euros neste projeto, segundo disse ao Expresso, revelando ainda os preços de comercialização dos imóveis em causa. O início da promoção do edifício Pharmacia foi conhecida em 2018, prevendo-se na altura a conclusão da construção em finais deste ano. O promotor optou, de seguida, por rever o projeto, reduzindo a área média dos apartamentos (previa inicialmente 44 frações).

A ligação do grupo Violas Ferreira a este empreendimento começou em 2018, através da compra do edifício aos grupos Habitat Invest e Ferreira, numa altura em que estes acertaram o fim da parceria para o mercado do Porto.