Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Meliã Lisboa sai do papel: hotel de cinco estrelas (e 240 quartos) estará concluído em 2022

Obras já arrancaram. Gestão do projeto e da construção é assegurada pela Engexpor.

Engexpor
Engexpor
Autor: Redação

Está a nascer no centro de Lisboa, no cruzamento da Avenida António Augusto de Aguiar com a Avenida Fontes Pereira de Melo, junto ao Marquês de Pombal, o hotel Meliã Lisboa, a primeira unidade de cinco estrelas gerida pela cadeia hoteleira espanhola em Portugal. As obras já arrancaram e a conclusão está prevista para daqui a dois anos, ou seja, o hotel, que terá 240 quartos, deve abrir portas no segundo semestre de 2022.

Segundo a Engexpor, responsável pela gestão de projeto e da construção do hotel – tem acompanhado o empreendimento desde a fase inicial de estudo e conceito, trabalhando em colaboração com a equipa de projeto –, o contrato foi atribuído pelo Discovery Portugal Real Estate Fund, assessorado pela Explorer Investments que, em resultado de uma parceria firmada com a Meliã Hotels International, irá desenvolver o projeto hoteleiro. 

“A conclusão da obra está prevista para o segundo semestre de 2022, dando origem a uma unidade com elevados padrões de qualidade e que revitaliza um dos gavetos mais emblemáticos da cidade de Lisboa”, refere a Engexpor, em comunicado.

A empresa, que além da gestão de projeto e da construção tem a cargo a gestão e a coordenação a nível do BIM (Building Information Modelling), fornecendo as diretrizes sobre a forma como o mesmo deve ser executado, adianta que o hotel terá um restaurante aberto 24 horas por dia, um bar-lounge na cobertura com vista panorâmica sobre a cidade, salas de convenções e centro de congressos com capacidade até 550 pessoas. 

“Assente no conceito ‘bleisure’, isto é, adaptado a negócios e lazer, conta ainda com health club e welness center. Ao todo, serão 22.220 metros quadrados (m2) de área bruta de construção, distribuídos por 14 pisos acima do solo e ainda 6 pisos subterrâneos”, lê-se na nota enviada às redações.  

Para Miguel Alegria, CEO da Engexpor, “o Meliã Lisboa será uma referência para a cidade, quer pelos elevados padrões de qualidade, quer pelo seu contributo para valorizar uma localização estratégica, mas que durante largos anos esteve abandonada”. “É, por isso, com muito entusiasmo que iniciámos esta obra, onde os níveis de rigor, qualidade e eficiência em todo o processo serão otimizados através do uso de uma metodologia inovadora que será cada vez mais uma tendência em Portugal”, conclui.

No que diz respeito ao BIM, a Engexpor explica que se trata de uma metodologia aplicada à gestão de projetos que permite não só a modelação e análise 3D, mas também criar e gerir toda a informação de modo centralizado, normalizado e integrado ao longo de todo o ciclo de vida de um ativo. “É uma prática que tem vindo a ganhar grande destaque na área de projeto, construção e operação a nível internacional e que está a ser crescentemente implementada em Portugal”, aponta.