Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Mercado da construção e imobiliário finta a pandemia

Guia do Mercado Laboral (GML) 2021, realizado pela Hays, enaltece a resiliência do setor em tempos de crise sanitária.

Mercado da construção e imobiliário finta a pandemia
Foto de M&W Studios no Pexels
Autor: Redação

O mercado da construção e imobiliário mostrou – e mostra – estar resiliente à pandemia da Covid-19, “tendo sido considerado um dos setores com melhor desempenho no contexto da atual crise sanitária”, conclui a Hays, grupo líder mundial em recrutamento de profissionais qualificados e especializados, baseando-se em dados do Guia do Mercado Laboral (GML) 2021.

A empresa adianta, em comunicado, que “Portugal continua a ser um dos países mais atrativos para estes investimentos, algo que fortaleceu o setor e o permite ser uma fonte de esperança para a economia nacional, amenizando as consequências sentidas pela pandemia”. 

Segundo João Fonseca, Section Manager na Hays Portugal, “a digitalização e a aposta nas energias renováveis foram a grande tendência deste mercado neste último ano e em muito contribuíram para este bom desempenho”. “O setor começou a investir mais na profissionalização e na digitalização. Simultaneamente, a construção de parques solares e eólicos influenciou a contratação de engenheiros especializados nestas áreas”, acrescenta, citado na nota.

O GML 2021 permite ainda concluir, por exemplo, que “o ano neste setor foi marcado por obras públicas de grande dimensão e por obras privadas no segmento residencial, cujo impacto positivo em muito contribuiu para este bom desempenho”. 

Sobre o futuro do setor, nomeadamente até final do ano, a Hays refere que a área da construção e imobiliário enfrenta, apesar de tudo, o novo ano “com alguma incerteza”. “Por um lado, existem novas obras e projetos para desenvolver e, por outro, a situação da pandemia pode atrasar alguns investimentos e financiamentos, trazendo alguma instabilidade às empresas”, lê-se no documento.

Para João Fonseca não há, no entanto, dúvidas: “Para resistir a uma possível recessão, o ano de 2021 conta com os setores do imobiliário, construção e investimento público, que têm dado sinais de serem as áreas que melhor estão a sobreviver ao impacto da pandemia”.