Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Google Retail Store em Nova Iorque decorada com cortiça portuguesa

Segundo a Associação Portuguesa de Cortiça (APCOR), a cortiça portuguesa está presente no mobiliário da loja.

Google Retail Store decorada com cortiça portuguesa
Cortesia APCOR
Autor: Redação

A Google escolheu a cortiça portuguesa para decorar a sua primeiraRetail Store' em Nova Iorque (EUA). A gigante privilegiou o uso de materiais sustentáveis, garantindo ao espaço a classificação 'LEED Platinum', a mais alta certificação do sistema de classificação de edifícios verdes, de liderança em energia e design ambiental.

Segundo a Associação Portuguesa de Cortiça (APCOR), a cortiça portuguesa está presente no mobiliário da loja que apresenta uma linha de dispositivos e serviços, "ue visam fornecer interação com o público que a visita, num espírito colaborativo com o meio ambiente e com a preocupação de fazer a diferença na vida das pessoas".

Google Retail Store decorada com cortiça portuguesa
Google Retail Store em Nova Iorque / Cortesia APCOR

“A sustentabilidade é um princípio fundamental para a Google e, por isso, a primeira loja da empresa continuou com este trabalho e compromisso com o design sustentável”, explica a Google.

Daniel Michalik foi o designer convidado para desenvolver as peças de mobiliário em cortiça, presentes nesta loja. ”Há muitos anos que acredito no potencial da cortiça para o design e arquitetura. Em 2020, quando fui abordado para desenvolver o mobiliário para este espaço, pensei logo na cortiça devido às suas qualidades, ao conforto, bem como à sua sustentabilidade, princípios que ajudaram o espaço a alcançar a classificação LEED Platinum”, refere o criativo.

Google Retail Store decorada com cortiça portuguesa
Google Retail Store em Nova Iorque / Cortesia APCOR

“Acredito realmente que a cortiça é um material de alto valor para o futuro do design e da arquitectura. Tem características e desempenho incríveis e, além disso, sustenta todo um ecossistema, sendo um exemplo único e que todos os materiais deveriam seguir”, reforça Daniel Michalik.