Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Torre Oriente, um edifício de escritórios que mais parece um hotel

A Torre Oriente, no Centro Comercial Colombo, um edifício de escritórios com 13 pisos que tem como inquilinos empresas como a Fujitsu, o Barclays, o Bankinter, a GeoStar e a Manpower, foi alvo de uma renovação que abrangeu o lobby principal, os acessos ao estacionamento e o rebranding da marca. É o primeiro imóvel em Portugal a receber a insígnia Premier Property, entre cerca de 250 que são geridos pela consultora imobiliária CBRE. 

Com esta “nova imagem”, quem entra na Torre Oriente fica com a ideia de que está num hotel, dado o glamour do seu lobby. “O Rebranding foi uma ideia da gestão do edifício [é propriedade da Union Investment, sendo gerido pela CBRE desde janeiro 2015]. O desafio era, com um budget apertado, tornar esta torre única e exclusiva. A ideia era que as pessoas quando entrassem no espaço não o entendessem como uma torre de escritórios mas sim como a entrada de um lobby de um hotel. Foi essa a ideia que nos passaram e acho que conseguimos”, diz ao idealista/news Ricardo Serrano, do departamento de gestão de projetos da CBRE. 

Segundo o responsável, as obras de renovação demoraram cerca de dois meses, tendo terminado em julho, e implicaram um investimento inferior a 200.000 euros. “As obras foram sempre realizadas entre as 20h/21h e as 06h, o que foi um desafio”, conta, salientando que o lobby, que antes “era um local de passagem”, é agora um espaço mais harmonioso e “com outra dinâmica”.  

“Um projeto único e ambicioso”

A mesma opinião tem Luís Teodoro, diretor de gestão de ativos imobiliários da CBRE: “É um projeto muito ambicioso e único em Portugal. Transformámos a Torre Oriente numa Premier Property, um programa sobre o qual a CBRE gere os edifícios mais icónicos do mundo, são cerca de 250 – entre eles estão, por exemplo, o City Point (Londres), o Tour First (Paris), o The Edge (Amesterdão) a Torre Shanghai (China) e a Torre Iberdrola (Espanha)”. 

Este é, de resto, o primeiro edifício em Portugal a integrar este lote. “Não existem muitos edifícios em Portugal que tenham características para ser uma Premier Property, será uma lista muito restrita”, explica, adiantando que a Torre Oriente “está totalmente preenchida” e que existe em Lisboa “falta de escritórios de grande qualidade”. 

Torre Ocidente também pode ter novo “look”

E a outra torre no Centro Comercial Colombro, a Torre Ocidente, será que também vai ter “uma segunda vida”? João Gois, arquiteto responsável pela obra na Torre Oriente, confessa que já foi contactado nesse sentido. “Devido ao trabalho que fizemos com a CBRE, os donos da outra torre [foi comprada no ano passado pelo bilionário francês Pierre Castel (lidera o grupo Castel), através de um fundo de Singapura] contactaram-me para fazer também um trabalho de renovação. É um desafio interessante, porque o átrio é igual, mas em espelho. Trata-se de uma tentativa de melhorar o ambiente e de criar um novo espaço”.