Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Comprar ou arrendar, o que compensa mais?

Autor: Redação

Comprar ou arrendar casa? Esta é uma questão que as pessoas colocam muitas vezes. Portugal é, por norma, um País de proprietários, mas este é um cenário que parece estar a mudar, já que as pessoas começam a encarar o mercado de arrendamento de outra forma. Mas qual será a solução mais vantajosa? 

Segundo as contas do Diário Económico, que analisou vários cenários, ao fim de 30 anos compensa mais arrendar, porque é gasto menos dinheiro com o arrendamento do que com a aquisição, mas a pessoa chega ao final desse período sem património imobiliário.

No fundo, os custos globais do arrendamento são cada vez mais atraentes quando comparados à compra com recurso ao crédito. Mas cada via tem as suas vantagens e tudo depende das suas condições financeiras atuais e das perspetivas de médio/longo prazo que a pessoa tem em termos de habitação.

Por exemplo, “a opção pela compra de um T2 usado na zona de Alvalade, em Lisboa, avaliado em 212.513 euros, ao fim de 30 anos vai ter um custo total de 458.091 euros, cerca de 89 mil euros a mais do que os encargos totais do arrendamento”, refere a publicação. Semelhantemente “a compra de um T2 na zona de Cedofeita, no Porto, avaliado em 136.607 euros, custaria no final do prazo mais 23 mil euros face ao custo total do arrendamento”, acrescenta.