Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

75% das famílias portuguesas tem casa própria e um terço está a pagar um crédito à habitação

Autor: Redação

A compra de casa é o principal motivo de endividamento dos portugueses. Perto de 75% das famílias é atualmente proprietária da residência onde vive e um terço delas está a pagar um crédito à habitação, tendo dado os imóveis como garantia dos financiamentos bancários. O cenário é traçado numa nota divulgada esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) e pelo Banco de Portugal, com base em dados de 2013.

"A residência principal era o principal ativo real, em número de famílias detentoras e em valor", informam as instituições com base no inquérito à situação financeira das famílias, revelando ainda que a riqueza familiar líquida mediana era de 71,2 mil euros. Em valor, os depósitos a prazo eram o principal ativo financeiro.

Famílias mais ricas têm dívidas maiores pela compra de casa

O valor mediano atribuído pelas famílias aos alojamentos de residência principal era de 91,3 mil euros, enquanto o valor mediano da dívida hipotecária associada à residência principal era de 63,7 mil euros, aumentando com os níveis de rendimento e com o nível de escolaridade. Ou seja, quanto mais ricas e mais habilitações têm as famílias, maior tenderá a ser o valor em dívida pela casa.

No total, os ativos reais representavam 88,0% do valor do total de ativos de que as famílias residentes eram proprietárias; cerca de metade dos ativos reais (49,8%) correspondia ao valor dos imóveis utilizados como residência principal. O valor dos outros bens imóveis e o valor dos negócios por conta própria representavam, respetivamente, 29,9% e 15,4% do total de ativos reais. O valor dos veículos tinha um peso de 3,7%.

Idosos têm menos dívidas pela compra de residências

 O valor mediano atribuído pelas famílias aos alojamentos de residência principal era de 91,3 mil euros. Este valor aumentava com o nível de rendimento, com o nível de riqueza líquida e com o nível de escolaridade do indivíduo de referência e reduzia-se com a idade do indivíduo de referência.

O peso das dívidas hipotecárias associadas à residência principal no total da dívida das famílias era menor quando o indivíduo de referência tinha 65 anos ou mais, era trabalhador por conta própria ou reformado, e nos 20% de agregados com menor riqueza líquida e para os 10% mais ricos.

Mais de 30% das famílias tem mais do que um imóvel

Mais de 30% das famílias indicaram ser proprietárias de outros imóveis, com um valor mediano de 62,2 mil euros. Tal como no caso da residência principal, o valor mediano de outros imóveis aumentava com os níveis de rendimento e de riqueza líquida, e com o nível de escolaridade.

Neste caso, o o peso das dívidas hipotecárias associadas era maior no caso dos agregados em que o indivíduo de referência era trabalhador por conta própria ou tinha completado o ensino superior, bem como para os dois decis mais elevados de riqueza líquida e para o decil mais elevado do rendimento.