Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Trocado por miúdos: Formas de poupar com recurso a casa própria

Gtres
Gtres
Autor: Redação

Artigo escrito para o idealista/news, no âmbito da rubrica “Trocado por Miúdos”, por joao.raposo@reorganiza.pt, partner da Reorganiza.

Já alguma vez pensaste que a tua casa pode ser a solução para acabar com as tuas dívidas? Como sabes o crédito à habitação é aquele que tem taxas de juro muito baixas em comparação com os outros créditos. O que é fácil de explicar. 

Embora se utilize a palavra empréstimo a verdade é que um empréstimo bancário na prática é um ato de compra de dinheiro a uma instituição que tem aquele valor que precisas, mas que por agora tu não dispões dele. 

Preço do dinheiro

O preço de qualquer empréstimo é o que vulgarmente chamamos de taxa de juro. As taxas de juro variam conforme o custo do empréstimo. Quanto mais alta a taxa de juro, mais caro será o empréstimo. No caso do crédito habitação, como este tem uma garantia real que serve de conforto para o credor financiar, encontras taxas de juro mais reduzidas.

Qual o motivo para haver créditos com TAN de 3% e outros com 23%?

No cálculo da taxa de juro tem de estar refletido o risco da operação do empréstimo. Embora um crédito hipotecário envolva valores elevados e prazos largos, a verdade é que é um crédito com taxas de juro mais baixas do que, por exemplo, num cartão de crédito. No caso dos cartões de crédito tens taxas de juro praticadas no mercado de 23% (e até mais elevadas). O risco de incumprimento num cartão de crédito é muito maior que o risco de um crédito habitação. Se o financiamento é para uma casa, o credor vai exigir que o imóvel seja dado como garantia. Como o credor está a acautelar-se com garantias adicionais, está disposto a financiar a uma taxa de juro, por exemplo, de 3%. A razão é simples: o risco para o credor é menor face ao cartão de crédito.

Consolidação com hipoteca pode poupar-te muito dinheiro

Quando tens mais créditos, além do crédito hipotecário, podes procurar avaliar a decisão de juntar todos os créditos num único. A isto chama-se de consolidação dos créditos. Um crédito consolidado pode apresentar taxas de juro na ordem dos 12%-13%. No caso de teres uma casa isenta de ónus, ou mesmo que ainda estejas a pagar mas tenha um valor mais elevado face ao total em dívida, podes tentar fazer uma consolidação com hipoteca e usufruíres de reduções próximas dos 70%! 

Se juntares todos os créditos dando a casa como garantia, o banco está mais confortável para financiar e assim irás usufruir de uma única taxa de juro e bastante mais baixa. 

Valor do imóvel versus valor em dívida

Como foi dito acima é fundamental que o valor do imóvel face ao atual montante em dívida seja suficiente para suportar como garantia. Antes de pensares na consolidação com hipoteca verifica o valor do imóvel. Mesmo que peças uma avaliação oficial, pois estas costumam ter elevados custos, verifica com o máximo rigor possível qual o valor atual do imóvel. Se consegues prever que o valor deixa margem para apresentar a casa como garantia para os restantes montantes em dívida, poderás ter aqui uma oportunidade única de poupança.

É importante que o valor que resulta da relação casa/montante em dívida seja inferior a 70%, pois assim terás boas possibilidade de ter os teus créditos consolidados. 

Se fores cauteloso na consolidação hipotecária estás a utilizar de forma racional e responsável o bem que é a tua casa

Liquidez extra na consolidação

Muitas vezes estas operações de consolidação com hipoteca deixam-te folga para poderes ter alguma liquidez adicional. Se isto acontecer tem atenção se precisas mesmo de ficar com essa liquidez adicional. Não te esqueças que os bancos são sempre muito “amigos” na hora de financiar, mas quando chegam as alturas de pagar mudam drasticamente de atitude. Se vais aplicar a liquidez adicional em alguma aquisição de um bem essencial à vida, pode fazer sentido usufruir desse valor extra. Mas se vais utilizar a liquidez para ficar apenas com mais algum dinheiro de conforto, tem atenção porque estás a aumentar o valor global da dívida e isso pode trazer-te dificuldades no cumprimento da mesma. 

Se fores cauteloso na consolidação hipotecária estás a utilizar de forma racional e responsável o bem que é a tua casa. Ao utilizares este instrumento financeiro poderás estar a gerir as tuas dívidas de forma mais inteligente. Vais poupar porque terá taxas de juro mais baixas e terás maior facilidade na gestão dos teus créditos, pois ficas apenas com uma prestação.