Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Preços das casas começam a ajustar-se e 70% das vendas fazem-se já com desconto

Gtres
Gtres
Autor: Redação

Os preços das casas estão a começar a ajustar-se, sobretudo no caso dos imóveis usados. Estará o mercado a arrefecer? Nos últimos meses, 70% das habitações que mudaram de valor foi para o reduzirem. Os proprietários “não estão a conseguir vender à velocidade e ao preço que queriam”, segundo analisa Pedro Lancastre, diretor-geral da consultora imobiliária JLL.

O especialista defende que está a haver uma suavização do aumento dos preços, que “já não têm continuado a subir nas casas novas”. Nas casas usadas diz, citado pela Lusa, que “até se sente um acerto nos valores, que estão a descer”.

Pedro Lencastre refere mesmo que, nos últimos meses, "70% das casas que mudaram de preço foi para baixo" e que os proprietários não estão a conseguir vender à velocidade e ao preço que queriam. Um cenário que, de acordo com a agência de notícias, não surpreende o especialista, uma vez que os valores são ditados pelo mercado, “que é quem compra”.

Imobiliário continuará dinâmico

No ano passado, o mercado do imobiliário comercial atingiu "um recorde absoluto", com transações de mais de três mil milhões de euros. Este ano, Pedro Lancastre considera que poderá atingir os dois mil milhões, uma redução que estará relacionada com "duas ou três operações muito grandes de centros comerciais que acontecem de 5 em 5 ou 10 em 10 anos".

Já na área residencial, o mercado movimentou globalmente 25 mil milhões de euros em 2018, um valor que o diretor-geral da JLL acredita poder voltar a verificar-se este ano.

No segmento dos escritórios, o desafio continua: é preciso ter oferta suficiente para fazer face à procura. "Este ano concretizaram-se para já 23 mil metros quadrados de escritórios, que foram ocupados, o que se traduz num decréscimo de cerca de 45% face ao ano passado", adianta o responsável.

Para o diretor-geral da JLL, estes dados não significam que haja menos procura de escritórios. "As pessoas é que estão com mais dificuldade em encontrar os seus espaços. Estamos a sentir que os preços, por isso, estão a subir. E o mesmo acontece nas grandes transações imobiliárias".