Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Salão Imobiliário de Portugal 2019 de olhos postos na promoção imobiliária

SIL 2019 promete ter mais empresas que a edição do ano passado / SIL
SIL 2019 promete ter mais empresas que a edição do ano passado / SIL

O Salão Imobiliário de Portugal – SIL 2019, que este ano se realiza durante quatro dias (de 10 a 13 de outubro) e com horário alargado, vai dar “especial enfoque” à promoção imobiliária. “Queremos que este setor cresça dentro da feira. O nosso grande objetivo é que este ano a promoção imobiliária dentro do SIL tenha uma presença mais forte, com mais produto”, diz ao idealista/news Sandra Fragoso, gestora do evento, que se volta a realizar na FIL, em Lisboa.

Segundo a responsável, que falava à margem da apresentação da 22ª edição daquela que é a maior e mais importante feira imobiliária do país, “Portugal continua com um dinamismo enorme no setor imobiliário”, havendo cada vez mais promotores estrangeiros “às compras” em território nacional. 

Temos dois tipos de investidores. Temos investidores oriundos de Brasil, China e França, que fazem pequenos investimentos com base no regime dos benefícios fiscais para residentes não habituais e nos vistos gold, e temos uma segunda vaga de investidores muito interessante, que começou a aparecer agora. São grupos norte-americanos, belgas, espanhóis que procuram oportunidades para desenvolver grandes projetos imobiliários. E a nossa aposta [para o SIL 2019] surge nesse sentido”, explica Sandra Fragoso.

"São grupos norte-americanos, belgas, espanhóis que procuram oportunidades para desenvolver grandes projetos imobiliários. E a nossa aposta [para o SIL 2019] surge nesse sentido"
Sandra Fragoso, gestora do SIL 2019

A gestora do SIL 2019 adianta, de resto, que estes mesmos promotores podem ajudar, e muito, a aumentar a oferta de habitação para a classe média: “Temos uma escassez de habitação para a classe média, sabemos que estes grupos estão a apostar neste tipo de habitação, o que para nós é muito interessante. É isso que queremos trazer para o SIL: aumentar a oferta para o profissional e para o visitante”. 

380 empresas no SIL, recorde à vista 

Na edição do ano passado, o SIL teve a participação de 350 empresas, um número que a organização prevê que aumente para 380 na edição de 2019. De referir que o evento volta a realizar-se em dois pavilhões da FIL (o 2 e o 3), no Parque das Nações, em Lisboa, ocupando uma área de 20.000 metros quadrados (m2), ao todo. 

De acordo com a organização, que se apoia num estudo realizado no ano passado, composto por um universo de 544 inquiridos, 30% dos visitantes que visitaram o certame em 2018 fizeram-no pela primeira vez. Trata-se de um indicador interessante e que de comprova que há um interesse cada vez maior no SIL. 

Há mais novidades este ano

Depois do sucesso do ano passado, o SIL vai receber, na manhã do dia 10 de outubro, a 2ª edição do SIL INVESTMENT PRO, onde serão debatidos temas como o imobiliário turístico e o investimento estrangeiro. “Nesta edição, serão convidados investidores nacionais e internacionais de diversas nacionalidades, com o enfoque no mercado espanhol, bem como fundos de investimento”, refere a organização do evento em comunicado. 

“(…) O maior evento do imobiliário traz novidades, entre elas a primeira edição do SIL VILLAGE. Trata-se de um espaço premium, reservado para network, um espaço onde negócios podem ser realizados, em ambiente informal, que funciona durante a hora de almoço e jantar para empresas parceiras, grupos imobiliários, banca, seguradoras, consultoras e organizadores de eventos”, lê-se no documento.

Para a organização da feira, o SIL é o “principal ponto de encontro de todos os profissionais nacionais e internacionais, a maior sala do país para networking”. “Uma feira que é transversal a todos os segmentos do setor, desde a promoção, mediação, banca, serviços, municípios e entidades públicas. Não esquecendo as empresas de reabilitação, arquitetura, engenharia, construção sustentável, eficiência energética, de construção e obras públicas, comércio, retalho, escritórios e turismo”, conclui.