Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Rendas acessíveis: Governo aprova construção de 3.500 casas em Almada em terrenos do IHRU

Photo credit: deensel on Visual Hunt / CC BY
Photo credit: deensel on Visual Hunt / CC BY
Autor: Redação

O Governo aprovou a construção de 3.500 casas em Almada, Setúbal, que permitirão alojar mais de nove mil pessoas, com o objetivo de disponibilizar oferta pública de habitação a custos acessíveis. Já ao abrigo do Programa 1.º Direito serão apoiadas 2.430 famílias, o que dá um total de seis mil agregados e cerca de 15 mil pessoas.

“Foi aprovada uma Resolução de Conselho de Ministros que reconhece como de manifesto interesse público o projeto urbanístico denominado Projeto Habitacional de Almada Poente, a implementar em terrenos do Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana (IHRU), situados no Plano Integrado de Almada, com vista à disponibilização de oferta pública de habitação a custos acessíveis”, lê-se no comunicado do Conselho de Ministros.

No mesmo documento, é referido que os terrenos em causa “têm um potencial de edificabilidade de cerca de 3.500 habitações que permitirão alojar mais de 9.000 pessoas”. 

"Sendo este um projeto de grande escala, prevê-se a sua implementação faseada, sendo que a primeira fase recairá nos terrenos que correspondem à consolidação da malha urbana existente. Para este fim, foi também aprovada uma autorização de despesa para o IHRU, de 2,8 milhões de euros”, avança o Conselho de Ministros.

Programa 1.º Direito ajuda 2.430 famílias

Entretanto, e segundo o Jornal de Negócios, o Governo – através do IHRU – e a Câmara Municipal de Almada assinam esta sexta-feira (19 de julho de 2019) um acordo e um protocolo de colaboração para a construção e reabilitação de imóveis municipais. 

Além do Projeto Habitacional de Almada Poente, jé mencionado em cima, estão em causa intervenções no âmbito do Programa 1.º Direito, para famílias com situações financeiras frágeis. Neste caso, as previsões apontam para que sejam abrangidos pelos apoios 2.430 agregados.

Ao todo, no conjunto das duas iniciativas, serão apoiadas cerca de 6.000 famílias: 3.500 através do Projeto Habitacional de Almada Poente e 2.430 através do Programa 1.º Direito.