Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Preços das casas no Grande Porto disparam e já superam valores a nível nacional

Lisboa continua a ser a cidade mais cara do país para viver: comprar uma casa custa 3.154 euros por m2.

Photo by Carlos Machado on Unsplash
Photo by Carlos Machado on Unsplash
Autor: Redação

O mercado da habitação no Grande Porto está “quente”. No 2º trimestre do ano, os preços das casas ultrapassaram, pela primeira vez em três anos, o valor mediano nacional, fixando-se nos 1.034 euros por metro quadrado (m2), de acordo com os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatísticas (INE). Sem surpresas, Lisboa continua a ser a cidade mais cara do país para viver: comprar uma casa custa, em termos medianos, 3.154 euros por m2. 

No segundo trimestre deste ano, o preço mediano de alojamentos familiares em Portugal foi 1.031 euros por m2, um aumento de 2% relativamente ao trimestre anterior e de 6,4% relativamente ao período homólogo.

Houve 45 municípios localizados maioritariamente no Algarve (1606 euros por m2) e na Área Metropolitana de Lisboa (1383 euros por m2 ) – as regiões com preços mais elevados do país –, a apresentarem um preço mediano de venda de habitação superior ao valor nacional. Mas quem ganhou destaque relatório do gabinete de estatística foi o Grande Porto, que ultrapassou a média do país “pela primeira vez desde o primeiro trimestre de 2016”.

Lisboa é a cidade mais cara para viver

O preço mediano mais elevado do país registou-se em Lisboa (3.154 euros por m2), seguindo-se Cascais (2.478 euros por m2), Oeiras (2.134 euros por m2), Loulé (2.018 euros por m2 ), Lagos (1.875 euros por m2 ), Albufeira (1.821 euros por m2), Tavira (1.766 euros por m2), Porto (1.762 euros por m2), Odivelas (1.646 euros por m2), Lagoa (1.634 euros por m2), Funchal (1.558 euros por m2), Faro (1532 euros por m2 ), Loures (1.521 euros por m2 ) e Vila Real de Santo António (1.519 euros por m2).

Três freguesias da capital registaram preços superiores a 4.500 euros por m2: Santo António (5.131 euros por m2) – que inclui a Avenida da Liberdade e áreas adjacentes –, Misericórdia (4.718 euros por m2 ) – Bairro Alto e Cais do Sodré –, Santa Maria Maior (4.509 euros por m2 ) – área do Castelo e Baixa/Chiado.

Na cidade do Porto, o valor mediano por m2 também já superou a fasquia dos dois mil euros em três freguesias, mais duas do que no primeiro trimestre do ano. A União das freguesias de Aldoar, Foz do Douro e Nevogilde continua a ser a mais cara, com um valor de 2.346 euros por m2, seguida da União das freguesias de Cedofeita, Santo Ildefonso, Sé, Miragaia, São Nicolau e Vitória (2.081 euros por m2) e a União das freguesias de Lordelo do Ouro e Massarelos (2.058 euros por m2), que registaram aumentos homólogos de 17,1% e 18,8%, respetivamente.

A freguesia do Bonfim apresenta a maior subida homóloga nos preços, que atingem os 1.785 euros por m2 – os valores subiram 45,6% num ano.