Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Câmara de Lisboa investe 3,6 milhões na compra da Vila Dias (no Beato)

Antigo bairro operário foi construído há 132 anos junto à linha de comboio e é composta por 160 casas.

Câmara Municipal de Lisboa
Câmara Municipal de Lisboa
Autor: Redação

A Vila Dias, antigo bairro operário no Beato composto por 160 casas, foi comprada pela Câmara Municipal de Lisboa (CML). A intervenção prevê a reabilitação dos edifícios e a requalificação da zona envolvente, num investimento que irá rondar os 3,8 milhões de euros. A decisão vem assim colocar um ponto final numa disputa imobiliária que se arrastava há cerca de dois anos.

Segundo a CML, a Vila Dias foi comprada em abril de 2017 por um investidor privado, mas a autarquia pediu a anulação da venda, exercendo o direito de preferência dos terrenos, abrangidos pela Área de Reabilitação Urbana do Vale de Chelas. Por essa altura, conta o Público, a câmara municipal entrou com uma ação em tribunal para anular o negócio, argumentando que não lhe tinha sido comunicado que a vila estava à venda.

O investidor era José Morais Rocha, gestor da Sociedade Vila Dias (SVD), antiga proprietária do bairro, que já veio confirmar o negócio à mesma publicação - o contrato foi assinado na passada sexta-feira, 28 de fevereiro de 2020 -, depois de desistir da ação que tinha posto ao município.

A SVD foi acusada pela Associação de Moradores das Vilas Operárias do Beato (AMVOB) de não realizar as obras necessárias na zona, e defendeu várias vezes a necessidade de a posse das casas passar para a câmara, segundo a mesma publicação. Hugo Marques, presidente desta associação, acredita que este será um "desfecho bom para as pessoas que aqui vivem”, lembrando “a longa luta” para que isto acontecesse.

A Vila Dias foi construída há 132 anos junto à linha de comboio, para alojar os operários das fábricas de Xabregas. Inclui “vestígios da primitiva ocupação rural, antigas áreas fabris abandonadas, com relevância para a arqueologia industrial, habitação operária decadente e obsoleta”, refere a CML.