Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Vendas de imóveis caíram em maio, mas preços mantêm-se - diz APEMIP

Segundo o inquérito da APEMIP, 81,1% das imobiliárias sofreram uma quebra do volume de negócios em maio. Ainda assim, não houve descida de preços.

Photo by Tobias Tullius on Unsplash
Photo by Tobias Tullius on Unsplash
Autor: Redação

Cerca de 80% das imobiliárias sofreram uma quebra nas vendas de imóveis em maio de 2020, em comparação com igual mês do ano passado, segundo um inquérito realizado pela  Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP) junto de quatro mil empresas. Apesar disso, e do contexto provocado pela pandemia, os preços mantiveram-se. 

Os resultados indicam que 81.1% das empresas sofreram uma quebra do volume de negócios. A procura também caiu para 64.5% das imobiliárias, no entanto, de acordo com 83.9% das mediadoras, os preços dos imóveis disponíveis para venda mantiveram-se, contra 15.5% que indicaram descida de preços.

“Os números apresentados vão ao encontro daquilo que tenho vindo a dizer publicamente. Não há nenhuma justificação para que haja uma quebra de preços, a não ser pela correção de valores que estavam especulados. Se na última crise havia um excesso de oferta que motivava uma descida dos preços, desta vez verifica-se ausência de stock, sobretudo nos segmentos médio e médio baixo, onde continua a haver falta de casas que suprimam as necessidades da procura”, diz Luís Lima, presidente da APEMIP.

O estudo indica ainda que 72.1% das imobiliárias revelaram ter reaberto as portas ao público logo na primeira fase de desconfinamento (iniciada a 4 de maio) sem grandes dificuldades no cumprimento das novas regras de higiene e segurança. No entanto, o representante das imobiliárias considera que apesar destas empresas terem reaberto, continuam a não operar na totalidade.

“No terreno ainda se nota que o mercado está a funcionar a meio-gás. Apesar da grande maioria das mediadoras ter reaberto ao público, não tem a totalidade dos seus funcionários a laborar, até porque o volume de procura ainda não o justifica. Ainda está a haver uma adaptação à nova realidade. Mesmo assim, sente-se já algum otimismo e consciência para os desafios que o mercado trará”, afirma Luís Lima.

Numa escala de 1 a 10, mais de 74% das empresas apresentaram perspetivas acima de 5 para os próximos três meses, assente sobretudo nos sinais positivos que são dados pelo exterior, face ao bom comportamento sanitário que o país tem revelado.