Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Preço das casas nos EUA registam subida histórica

Em julho, os preços das casas subiram 19,7% em todo o país, segundo o índice da S&P Corelogic Case-Shiller.

Preço das casas nos EUA
Foto de Andrea Piacquadio no Pexels
Autor: @davidmarrero

O preço das casas nos EUA registou em julho uma subida homóloga de 19,7%, voltando, assim, a bater um novo recorde de aumento médio pelo quarto mês consecutivo, apontam os dados do índice S&P Corelogic Case-Shiller. Os maiores aumentos de preços das casas neste período foram registados em Phoenix (32,4%), San Diego (27,8%) e Seattle (25,5%). É preciso recuar a 1988 para ver registos tão elevados neste índice.

O mercado imobiliário na maior economia do mundo continua a registar aumentos anuais que colocam as subidas de preços em máximos históricos desde que o índice S&P Corelogic Case-Shiller fez as suas primeiras estatísticas, em 1988. “Os últimos meses foram extraordinários, tanto pela dimensão da variação dos preços, como pela subida dos preços em todo o país", disse Craig Lazzara, diretor, gestor e chefe global de estratégia de investimento dos índices da S&P Dow Jones. "A forte procura e a escassez de imóveis disponíveis fizeram disparar os valores para novos máximos", sublinhou.

O preço das casas subiu 19,7% em julho em todo o país em comparação com o mesmo mês do ano passado, marcando, assim, o quarto mês consecutivo em que se regista uma subida recorde. Os preços das habitações nos 10 mercados principais dos EUA cresceram 19,1% em termos homólogos, enquanto nas 20 cidades mais importantes aumentaram 19,9%

Preço das casas nos EUA
Foto de cottonbro no Pexels

17 dos 20 principais mercados imobiliários dos EUA também estabeleceram um novo recorde no que diz respeito ao aumento dos preços das casas e, em todos eles - exceto em Chicago -, os preços dos imóveis atingiram níveis históricos. Mas ,na verdade, está apenas 0,3% abaixo de sua marca atual.

Os aumentos de preços das habitações mais acentuados em julho foram registados em Phoenix (32,4%), San Diego (27,8%) e Seattle (25,5%). Há ainda outras grandes cidades que tiveram aumentos significativos como Miami (22,2%), Los Angeles (19,1%), Nova York (17,8%) ou Washington (15,8%).

Mercado efervesce na pandemia

O mercado imobiliário norte-americano ganhou uma dinâmica efervescente durante a pandemia. E foram vários os fatores que explicam essa mudança: as baixas taxas de juro das hipotecas; o aumento da procura por moradias nos chamados subúrbios das cidades – o equivalente às zonas periféricas das cidades; e ainda a baixa oferta de moradias.

“A perda de milhares de empregos durante o pior período da pandemia não travou o aumento da procura por residências unifamiliares - especialmente aquelas que se situam fora do centro das grandes cidades -, já que as famílias saíram benefíciadas pelas taxas de juro dos créditos habitação historicamente baixas”, disse Joshua Shapiro, economista-chefe para os EUA na consultora MFR.

A National Association of Realtors (NAR) afirmou num estudo que as vendas de casas usadas caíram 2% em agosto face ao período homólogo. E interpreta este dado sublinhando que o aumento dos preços das casas está a deixar de fora muitas famílias do mercado residencial.

Preço das casas nos EUA
Foto de Charles Parker no Pexels