Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Mercadona vai reforçar expansão em Portugal em 2021 com 150 milhões de euros

A retalhista espanhola prevê abrir 9 novas lojas no país já em 2021. Porto, Braga e Aveiro são os distritos escolhidos.

Mercadona Campanha
Mercadona Campanha
Autor: Redação

A Mercadona irá seguir a sua rota de investimento em território nacional. Só para 2021, a retalhista espanhola tem previsto um investimento 150 milhões de euros, destinado sobretudo para a abertura de nove lojas distribuídas pelos distritos do Porto, Braga e Aveiro. Entre outros investimentos está também contemplado o reforço da sua rede logística no país.

A empresa de distribuição diz, em comunicado divulgado esta terça-feira (20 de abril de 2021), que este investimento surge “com a finalidade de dar continuidade ao seu projeto de expansão em Portugal”, dando também nota de que irá recrutar 500 pessoas, “sempre com contrato efetivo desde o primeiro dia”.

Estas nove lojas, que agregam uma superfície comercial de 1.900 metros quadrados (m2), vão somar-se aos 20 estabelecimentos que a retalhista espanhola já abriu no país – dez destes só em 2020.

Em concreto, no distrito do Porto está previsto inaugurar 5 lojas este ano: uma na Rua Diogo Botelho (Porto), outra entre as Ruas Óscar da Silva e Veloso Salgado (Leça da Palmeira, Matosinhos), na Av. General Humberto Delgado (Vila do Conde), na Rua Dom Manuel I (Felgueiras), e na Av. Oliveira Zina (Valongo). Em Braga, uma unidade irá abrir na freguesia de Silvares, em Guimarães, e a outra na Rua S.Julião, em Famalicão. No distrito de Aveiro, a Mercadona escolheu a Rua 19, em Espinho, e a Rua de Santo André, em Santa Maria da Feira, para abrir as suas novas unidades.

Loja na Feira tem luz verde para avançar

Uma destas novas lojas da Mercadona já tem luz verde do Governo para avançar: a projetada para Santa Maria da Feira. A travar o projeto estava, até então, a aprovação do abate de 114 sobreiros neste terreno, que possui mais de meio hectare. Esta terça-feira, o Governo deu o seu parecer positivo, considerando “de imprescindível utilidade pública a superfície comercial a construir” neste local.

Esta decisão do Executivo socialista de António Costa é justificada ainda pelo “relevante interesse público, económico e social do empreendimento, bem como a sua sustentabilidade uma vez que a empresa em causa tem vindo, ultimamente, a aumentar os seus investimentos em Portugal, criando postos de trabalho diretos e alargando o número de fornecedores portugueses”, lê-se no Despacho n.º 3935/2021.

Logística contará com unidade de 420 mil m2

Um dos objetivos da espanhola é também “continuar a otimizar a sua rede logística, com a remodelação e inauguração de novos blocos logísticos”, lê-se no comunicado. Em território nacional, a retalhista já comprou um terreno em Almeirim, no distrito de Santarém, com o intuito de construir uma unidade logística de 420 mil m2, segundo escreve o Jornal de Negócios.

Esta infraestrutura irá apoiar a expansão da Mercadona a sul de Portugal e, em especial no distrito de Lisboa, onde prevê abrir as primeiras lojas em 2022. Mais ainda, a sua dimensão irá permitir-lhe dar apoio à zona Centro do país e a Espanha, até porque “muitas mercadorias entram [na Europa] através dos portos portugueses”, destacou Elena ldana, a porta-voz da empresa em Portugal, em junho do ano passado, citada pelo mesmo meio.

Os resultados relativos ao ano passado - que foi aliás o primeiro ano completo de atividade em Portugal - mostram que a Mercadona atingiu um total de 186 milhões de euros de faturação e investiu um total de 113 milhões de euros. Ao longo do ano, a empresa espanhola foi responsável pela criação de 800 postos de trabalho (todos sem termo), alcançando um total de 1.700 colaboradores em Portugal.

Apesar do impulso dado ao plano de transformação 2018-2023 (que tem previsto investir um total de 1.500 milhões de euros em 2021 na península ibérica), o presidente da Mercadona Juan Roig afirmou na apresentação de resultados da empresa que “2021 e 2022 vão ser anos muito difíceis e, embora existam muitas incertezas, existe mais vontade de continuar a superá-las”.