Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Milão quer construir mais ciclovias e espaços para caminhar em resposta à Covid-19

Uma das cidades e regiões mais atingidas pela pandemia está a preparar o futuro e antecipar uma segunda vaga de contágios.

Adam Birkett on Unsplash
Adam Birkett on Unsplash
Autor: Redação

Milão foi o epicentro da explosão do surto de coronavírus na Europa, mas está a reerguer-se e traçar planos para o futuro. E para continuar a fazer frente à pandemia, e a uma possível segunda vaga de contágios, esta cidade italiana quer reduzir a utilização do automóvel e aumentar as áreas de ciclovias e pedonais.

Marco Granelli, conselheiro para a Mobilidade as Obras Públicas na autarquia de Milão, antecipou na sua página de facebook as linhas gerais do “Plano Ruas Abertas” que está a ser preparado. “Mobilidade em tempo do coronavírus: estamos em emergência e para a fase 2 temos de nos organizar para que todos os que têm que se mover para fazer funcionar a cidade, o façam da forma mais segura e com menor risco de contágio”, escreveu o responsável.

“Não podemos ter o metro e os autocarros lotados” e “para evitar termos mais um milhão de carros nas ruas, teremos de fortalecer as duas rodas: mais bicicletas e mais scooters eléctricas, e até trotinetas”, acrescentou ainda.

Segundo os cálculos do especialista, citados pelo Público, o metro terá de ser reduzido a uns 25-30% de capacidade, sendo que diariamente transportava “cerca de 1.400.000 pessoas”. Para que este plano se concretize, o responsável adianta que terá de existir uma “forte colaboração entre instituições, cidadãos e empresas”, teletrabalho ou diversificação de horários e “redução do número de deslocações e barrar os horários, diminuindo as horas de ponta”.