Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Banco de Portugal

O Banco de Portugal é o banco central da República Portuguesa. Emitir de notas de euro, colocar em circulação moedas metálicas (BCE detém o direito exclusivo de autorizar a sua emissão) e a supervisão prudencial das instituições de crédito e das sociedades financeiras, são algumas das suas principais funções.

Fim das moratórias preocupa Banco de Portugal

Notícia sobre:

Bancos já estão obrigados a prestar informação sobre todas as moratórias de crédito

Os bancos estão obrigados, desde o dia 7 de maio de 2020, a divulgar e prestar informação sobre moratórias de crédito à habitação e ao consumo criadas no âmbito da pandemia do novo coronavírus, revelou o Banco de Portugal (BdP), adiantando que a obrigatoriedade em causa foi consagrada num aviso publicado em Diário da República (DR).

Notícia sobre:

Banco de Portugal recebeu 18.104 reclamações em 2019 – mais 18,7% que no ano anterior

O Banco de Portugal (BdP) recebeu, no ano passado, 18.104 reclamações dos clientes bancários relativamente às matérias por si supervisionadas, o que dá uma média de 1.508 queixas por mês. Trata-se de um aumento de 18,7% face ao ano anterior, 2018. 

Notícia sobre:

Clientes de “maior risco” no crédito à habitação pesam 4% contra 35% há ano e meio

Foi a 1 de julho de 2018 que entraram em vigor as regras do Banco de Portugal (BdP), que têm como objetivo pôr um travão à concessão de crédito à habitação e ao consumo. Agora, quase dois anos depois, o regulador faz um balanço positivo das medidas macroprudenciais aplicadas. Conclui, por exemplo, que os empréstimos para a compra de casa a “mutuários de maior risco” diminuiram de 35%, aquando da entrada em vigor do travão, para 4%, no final de 2019.

Notícia sobre:

Taxas de juro dos empréstimos da casa continuam a descer

O mercado do crédito à habitação em Portugal continua praticar baixas taxas de juro. E nas novas operações de financiamento para a compra de casa fechadas em janeiro de 2020, esta tendência voltou a ser reforçada, registando-se uma redução de 3 pontos base (pb) para 1,07%, face ao mês anterior. No primeiro mês do ano, os empréstimos para aquisição de casa subiram, atingindo os 977 milhões de euros, segundo dados do Banco de Portugal (BdP).

Notícia sobre:

Bancos voltam a abrir a torneira do crédito à habitação – o melhor arranque de ano desde 2008

A concessão de novo crédito à habitação em Portugal está ao rubro, com os bancos a mostrarem cada vez mais disponibilidade para financiarem a compra de casa. Em janeiro de 2020, os bancos emprestaram 977 milhões de euros para este efeito, menos que nos dois meses anteriores (1.117 milhões em dezembro e 977 milhões em novembro), mas bem mais que no período homólogo (746 milhões de euros). Trata-se, de resto, do melhor arranque de ano desde 2008, quando foram concedidos 1.522 milhões de euros. 

Notícia sobre:

Dívidas ao banco vistas no telemóvel? Sim, através de uma app do Banco de Portugal...

Estás “perdido” e não sabes, afinal, quanto deves ao banco? O Banco de Portugal (BdP) lançou uma aplicação (app) que permite “fazer contas à vida” de forma simples e rápida. “Com esta nova app, pode receber no seu smartphone as notícias e os descodificadores do BdP e utilizar os serviços mais procurados”, explica a entidade.

Notícia sobre:

Bancos não emprestavam tanto para a casa desde julho de 2008 – foram 1.117 milhões em dezembro

Está ao rubro o negócio do crédito à habitação. Só num mês, em dezembro de 2019, os bancos emprestaram 1.117 milhões de euros para a compra de casa, o valor mensal mais elevado desde julho de 2008, mês em que foram concedidos 1.205 milhões de euros. Está batido, portanto, um recorde com mais de 11 anos.  

Notícia sobre:

Crédito à habitação ao rubro: metade do dinheiro emprestado é para comprar casa

O negócio do crédito à habitação é cada vez mais importante para os bancos. E os números do Banco de Portugal (BdP) comprovam esta afirmação. No final de 2018, o crédito à habitação representava quase metade (48%) do stock de crédito interno: 92,3 mil milhões de euros contra 192,3 mil milhões de euros.

Notícia sobre: