Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Mercado de trabalho

Últimas notícias sobre "Mercado de trabalho" publicadas em idealista.pt/news

Ofertas de trabalho em Portugal vão ser anunciadas no estrangeiro pelo IEFP

O Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) vai começar a divulgar ofertas de trabalho em Portugal no estrangeiro. O anúncio foi feito no pelo ministro da Economia, explicando Pedro Siza Vieira, no Parlamento, que o objetivo é colmatar a falta de mão-de-obra que existe atualmente no mercado nacional. 

Notícia sobre:

Portugal com metade de desempregados face à crise com a ajuda do imobiliário

Em setembro de 2013 - em plena crise económica - havia 697,3 mil desempregados registados em Portugal. Esse número caiu para cerca de metade e atualmente existem 334,9 mil pessoas sem trabalho inscritas nos centros de emprego, segundo os dados de novembro de 2018, divulgados pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP). O imobiliário está entre as atividades com maior expressão nas ofertas de emprego mais recentes.

Notícia sobre:

Guia para quem trabalha fora de Portugal: assim se fazem os descontos da Segurança Social

Como se fazem os descontos para a Segurança Social? Esta será provavelmente uma das questões que mais preocupa quem trabalha fora de Portugal. A consultora Ernst & Young (EY) preparou uma lista de regras às quais é necessário prestar atenção, para que nada falhe nos descontos. Mostramos-te quais são.  

Notícia sobre:
Grimshaw via Deezen

As microcasas chegam à Austrália para (tentar) combater problemas de habitação

O mercado imobiliário australiano está a debater-se com um problema: não há oferta para tanta procura. E os jovens são dos que mais saem a perder nesta equação – não conseguem encontrar casas a preços acessíveis. Mas já há quem esteja à procura de soluções. É o caso da empresa Grimshaw, que criou uma pequena casa pré-fabricada de 32,5 metros quadrados (m2) para tentar combater a crise.
Notícia sobre:

Construção em risco por falta de interesse dos jovens em trabalhar no setor

A qualidade da construção em Portugal enfrenta uma série ameaça, devido à falta de "sangue novo" no setor. O problema deverá ganhar contornos mais sérios dentro de uma década, quando se reformar a maioria dos atuais trabalhadores, cuja média de idade ronda hoje os 55 anos. O aviso é dado pelo presidente do Sindicato de Construção de Portugal, Albano Ribeiro.

Notícia sobre:

Mulheres ganham menos que os homens em todas as profissões na Europa

As mulheres ganham menos que os homens em todas as profissões e em todos os países da Europa. Trata-se de uma desigualdade salarial que se prolonga ao longo da vida, com saídas precoces do mercado de trabalho, pensões baixas e maior risco de pobreza. 

Notícia sobre:

Desempregados registados em centros de emprego voltam a cair de forma histórica

O número de desempregados inscritos nos centros de emprego baixou 19,9% em abril face ao mesmo mês do ano passado, tendo-se registado uma redução homóloga de 112 mil pessoas, para 450.961 desempregados. Trata-se da maior redução anual desde que há registo (1989).

Notícia sobre:

Salário médio dos portugueses aumentou 13 euros num ano

O salário médio dos portugueses está a subir, tendo aumentado 1,6% no primeiro trimestre do ano, face ao período homólogo. Na prática, o vencimento médio dos trabalhadores por conta de outrem no país, depois de descontados os impostos, está atualmente em 846 euros, mais 13 euros que há um ano (833 euros).

Notícia sobre:

Há cada vez mais pessoas a trabalhar que recusam ofertas de emprego

Há cada vez menos portugueses qualificados, e no ativo, com vontade de mudar de emprego, isto porque os salários que as empresas estão dispostas a oferecer não compensam a mudança. No ano passado, 53% dos profissionais portugueses rejeitaram novas propostas de trabalho, mais 6% que em 2015. E mais: em 49% dos casos, a recusa teve como base um pacote salarial pouco atrativo.

Notícia sobre:

Em Portugal não trabalhamos como na China

Os portugueses estamos completamente enganados no tema das férias. É que se tivemos em conta a quantidade de dias livre e pagos que têm os trabalhadores em diferentes partes do mundo não há dúvida de que nem trabalhamos como chineses, nem o nosso descanso é tão curto como podemos pensar. Aliás, não está nem de longe entre os mais fugazes, estando antes na parte mais alta da classificação.

Notícia sobre: