Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Covid-19: hotelaria nacional estima perdas de 30% num mês

A epidemia do coronavírus está a começar a afetar vários setores da economia.

Photo by Savvas Kalimeris on Unsplash
Photo by Savvas Kalimeris on Unsplash
Autor: Redação

Os dados ainda são preliminares, e fazem parte de um estudo promovido pela Associação da Hotelaria de Portugal (AHP), mas indicam que a hotelaria nacional terá tido uma perda de receita superior a 30% num mês, devido à epidemia de coronavírus.

A AHP lançou um inquérito aos hoteleiros associados cujos dados são atualizados diariamente, para perceber de que forma o surto estará a afetar a atividade. Os dados, segundo o Público, serão apresentados de forma aprofundada na próxima quinta-feira de manhã, 12 de março de 2020, e dizem respeito ao período que decorreu entre o início de fevereiro e 9 de Março. O inquérito irá depois sofrer atualizações constantes, feitas pelos hotéis.

De acordo com a AHP, citada pela publicação, as "taxas de cancelamento estão muito acima das verificadas em anos anteriores e o efeito do Covid-19 na hotelaria é sentido não só nos cancelamentos imediatos, mas também nas reservas futuras, com os hoteleiros a indicar que estão já a registar importantes cancelamentos de reservas futuras”.

O presidente da Confederação de Turismo de Portugal (CTP), Francisco Calheiros, veio entretanto manifestar-se sobre a linha de crédito de 100 milhões de euros para o setor, anunciada pelo Governo, algo que considera insuficiente. "A linha de 100 milhões vai atenuar mas manifestamente não chega para o que vai acontecer", disse.

Câmaras do Porto e Lisboa encerram teatros, museus e bibliotecas

Os efeitos do novo coronavírus já se fazem sentir em diferentes quadrantes, com cada vez mais organizações, empresas e instituições a tomar medidas com impacto direto em múltiplas atividades, nomeadamente o turismo – e consequentemente na hotelaria, claro, como em quase tudo.

A Câmara Municipal do Porto, por exemplo, decidiu acionar medidas preventivas para travar o surto na cidade. A autarquia decidiu encerrar museus e bibliotecas municipais, piscinas públicas, o Pavilhão da Água, centros de educação ambiental, atividades desportivas promovidas em recintos fechados, campo de férias de Páscoa “Missão Férias@Porto”, e cancelar eventos públicos até 3 de abril. 

Em Lisboa o cenário é o mesmo. Com vista a reduzir os riscos de exposição ao contágio, a CML decidiu igualmente encerrar museus, galerias, bibliotecas e teatros municipais, e suspender todas as atividades promovidas pelo município em recinto fechado. Foram ainda suspensas as atividades complementares à ação educativa do tipo visitas de estudo e passeios promovidas pelo município ou com recurso ao serviço de transportes da CML.