Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Fim de ciclo na descida da prestação da casa: Euribor a 12 meses também já sobe

Gtres
Gtres
Autor: Redação

O ciclo de descida das prestações do crédito à habitação chegou ao fim. Começou com os empréstimos indexados às taxas Euribor a três e seis meses (a mais usada em Portugal) e já chegou à taxa a 12 meses. As taxas Euribor estão mesmo a subir, o que não é uma boa notícia para quem pediu dinheiro emprestado ao banco para comprar casa.

“A média mensal da Euribor a 12 meses começou a subir ligeiramente depois de ter atingido o valor mínimo de -0,191% em março de 2018, sendo de -0,169% em agosto. Considerando o atual contexto económico, é expectável que esta tendência se mantenha nos próximos meses”, disse Nuno Rico, economista da Deco Proteste, citado pelo Dinheiro Vivo.

Segundo o responsável, na próxima revisão das prestações com créditos indexados à Euribor a 12 meses, a subida já começará a ser sentida, ou seja, a prestação vai subir. De referir que em Portugal apenas cerca de 10% dos contratos têm a Euribor a 12 meses como indexante.

Apesar da subida, a Euribor a 12 meses está muito longe do nível superior a 5% registado há uma década. “A taxa bateu no fundo. Vai continuar a subir, mas não é de esperar uma subida galopante”, adiantou Filipe Garcia, economista da IMF-Informação de Mercados Financeiros. “Vai haver um aumento nas prestações das casas, mas não será uma subida acelerada”, acrescentou.

De referir que os portugueses que pediram crédito à habitação têm vindo a beneficiar do facto das taxas Euribor terem descido bastante nos últimos anos, tendo atingido valores negativos históricos. Desde fevereiro que o indexante a 12 meses tem vindo a subir e, em agosto, registou o maior aumento dos últimos quatro anos em termos mensais: passou de -0,179% para -0,169%.

Segundo a publicação, que se apoia numa simulação da Deco Proteste, para um financiamento de 150.000 euros a 30 anos com um spread de 1% o valor da prestação, tendo em conta a média da Euribor a 12 meses em agosto, é de 470,9 euros por mês. Se a média da taxa subir, por exemplo, até 0,331%, a prestação passa para 505,6 euros.