Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Avaliação bancária de casas volta a subir e atinge os 1.185 euros por m2 em março

Este valor é 0,9% superior ao registado em fevereiro e 6,8% maior do que o fixado em março de 2020.

Imagem de Tumisu por Pixabay
Imagem de Tumisu por Pixabay
Autor: Redação

Mesmo em tempos de pandemia Covid-19, o valor mediano de avaliação bancária das casas com vista à concessão de crédito à habitação voltou a aumentar. Em março, atingiu os 1.185 euros por metro quadrado (€/m2), um valor 0,9% superior face ao registado em fevereiro (1.174 €/m2). A Região Autónoma dos Açores foi onde este valor mais cresceu face ao mês anterior - em concreto 3,5%. Já a menor variação foi registada no Algarve (0,3%). Quando comparado com o mesmo período do ano passado - que coincide com o início da pandemia -, as diferenças são ainda maiores, já que se regista uma variação de 6,8%. A maior de todas ocorreu no Norte do país (7,7%) e a menor no Algarve (2,9%).

Para realizar este estudo, foram consideradas 25.420 avaliações bancárias, um número 2,7% superior ao contabilizado no mesmo período do ano passado, revela o Inquérito à Avaliação Bancária na Habitação divulgado esta segunda-feira (26 de abril 2021) pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

No caso dos apartamentos, o valor mediano de avaliação bancária foi de 1.300 euros/m2, aumentando 7,5% relativamente a março de 2020. “O valor mais elevado foi observado na Área Metropolitana de Lisboa (1 569 euros/m2) e o mais baixo no Alentejo (864 euros/m2)”, refere o INE no documento. Mas foi a região Norte que apresentou o crescimento mais expressivo (8,7%). Já o Alentejo foi onde se observou menor evolução (0,6%).

Comparativamente a fevereiro, este valor aumentou 0,7%, “tendo a Região Autónoma dos Açores apresentado a maior subida (2,5%) e o Algarve a descida mais intensa (-0,2%)”, explica no documento.

Em relação às moradias, o valor mediano da avaliação bancária foi de 991 euros/m2 em março, o que representa um aumento homólogo de 7,4%. Os valores mais elevados observaram-se no Algarve (1 620 euros/m2) e na Área Metropolitana de Lisboa (1 550 euros/m2), tendo o Centro registado o valor mais baixo (818 euros/m2). Destaca-se ainda o Alentejo, pois apresentou o maior crescimento (10,0%). Já a menor variação homóloga ocorreu no Algarve (3,6%).

Face ao mês anterior, foi no Algarve onde se observou o maior aumento (3,8%). O INE destaca ainda que nesta análise verifica-se uma única descida, que ocorreu na Região Autónoma da Madeira (-0,2%).

Para apurar o valor mediano de avaliação bancária de março foram consideradas 25.420 avaliações bancárias, das quais 15 943 dizem respeito a apartamentos e a 9 477 de moradias. Este número é 2,7% que no mesmo período do ano anterior. “Em comparação com o mês de fevereiro realizaram-se mais 2 333 avaliações bancárias, o que corresponde a uma subida de 10,1%”, lê-se no inquérito.