Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Regresso aos escritórios: Google e Facebook vão exigir vacinação de trabalhadores

Objetivo passa por travar os contágios pela variante Delta do novo coronavírus.

Google e Facebook exigem vacinação nos escritórios
Photo by William Hook on Unsplash
Autor: Redação

O regresso aos escritórios já está a ser preparado em grande escala e, neste sentido, a Google e o Facebook já tomaram uma decisão: os trabalhadores deverão estar vacinados contra a Covid-19 quando voltarem aos espaços de trabalho.

Esta é uma medida que vai ser aplicada já nas próximas semanas nos escritórios nos Estados Unidos, como na sede da Google, em Mountain View, no estado da Califórnia. E a ideia é alargá-la aos outros escritórios situados pelos 40 países à medida que a vacinação avança, segundo explicou o presidente executivo da Google, Sundar Pichai, no email enviado aos mais de 130 mil trabalhadores esta quarta-feira (dia 28 de julho de 2021). O documento dá conta ainda que o regresso aos escritórios só está previsto para outubro.

O objetivo das gigantes tecnológicas passa por ir ao encontro das políticas sanitárias dos EUA no sentido de travar os contágios da variante Delta do novo coronavírus. “Ser vacinado é uma das maneiras mais importantes de manter a saúde e a saúde das nossas comunidades nos próximos meses”, explicou o administrador-delegado da Google citado pela Lusa.

Na Google, a ordem para a vacinação será ajustada, por forma a cumprir as leis e os reguladores de cada local, adiantou Sundar Pichai, ressalvando que só haverá exceções devido a razões médicas e outras consideradas “protegidas”.

Também o Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, deverá anunciar esta quinta-feira (dia 29 de julho de 2021) que todos os funcionários públicos norte-americanos terão de ser vacinados contra a Covid-19 ou, em alternativa, serem sujeitos a testes regulares, distanciamento social, obrigatoriedade de máscara e limites de circulação, de acordo com uma fonte da Reuters citada pelo Público. A mesma fonte revela que os funcionários que recusarem a vacinação não correm risco de despedimento.

Estas decisões ocorrem depois de organizações públicas na Califórnia e em Nova Iorque, terem exigido a vacinação aos trabalhadores como parte das medidas para combater a variante Delta no país. 

*Com Lusa