Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Madeira aproveita SIP para anunciar salão imobiliário em maio de 2020

Visual Hunt
Visual Hunt
Autor: Elisabete Soares (colaborador do idealista news)

O Salão Imobiliário do Porto (SIP 2019), que decorreu até este domingo na Exponor e teve o idealista como news media partner, foi aproveitado pela Invest Madeira para divulgar a realização, no Funchal, de um evento de características semelhantes em maio de 2020. 

Trata-se da primeira edição do Salão Imobiliário da Madeira (SIM 2020) – organizado em parceria com a Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP), entidade que organizou também o SIP – que terá como um dos principais focos a captação de investimento nacional e estrangeiro, assim como a divulgação do que melhor se faz no mercado regional nesta área. 

A Madeira esteve presente no SIP 2019 com um stand próprio, apoiado pela Invest Madeira – organismo que se assume como o ‘front office’ de atração de investidores estrangeiros e da internacionalização de empresas locais-, onde estiveram presentas várias empresas de mediação e promoção, em que se destacou a AFA Imobiliária, do grupo AFAVIAS - Engenharias e Construções, a KW Area Madeira e a RE/MAX Elite. 

“Promover parcerias e divulgar a região” 

Natalina Correia, consultora da KW Area Madeira destaca o facto de a presença na edição do SIP ter permitido, sobretudo, “fazer networking e promover parcerias”. Na sua opinião, a presença da KW foi interessante porque permitiu “tirar ideias” do que é importante privilegiar num evento como vai ser o SIM 2020. 

Os consultores João Baptista, Sílvio Costa e Fernando Matias, da RE/MAX grupo Elite, organizaram-se em parceria para promover vários empreendimentos madeirenses, que estão em fase de comercialização. 

Um desses empreendimentos é o Solar da Bica, uma unidade de agroturismo, com 17 quartos, “acolhedora e tranquila, envolta pelo vale mágico e idílico de São Vicente”- revela o flyer de apresentação – cujo valor de venda é de 2,9 milhões de euros.  

A propriedade, que resulta da reconstrução, adaptação e preservação da tipologia tradicional de duas casas centenárias, foi um dos produtos que apresentaram aos clientes e investidores que visitaram o stand Madeira. Contudo, na oferta do grupo Elite destacava-se também um conjunto de estúdios em venda, no Caniço, Santa Cruz, cujo preço é de 100 mil euros. 

Neste mercado de “características específicas”, João Baptista destaca a grande procura por parte dos emigrantes - sobretudo venezuelanos, muitos a investir pela segurança e outros já para habitação própria -, mas, também, a procura por parte de turistas ingleses, alemães, franceses, dos países nórdicos, seduzidos pela beleza e condições da ilha. 

Um facto que leva a que os preços no centro do Funchal “sejam especulativos”, embora esta seja uma realidade que não se verifica em outras localidades da Madeira, destaca o consultor da RE/MAX. 

Novos conceitos de habitação

Ana Spínola, diretora comercial da AFA Imobiliária conta ao idealista/news que a participação no SIP, “apesar do pouco tempo presente” (a dificuldade em conseguir alojamento na cidade obrigou-a a reduzir a estadia a apenas um dia), “foi positiva principalmente na obtenção de contactos para possíveis novas parcerias e na troca de ideias”. Além de "darmos a conhecer a nossa empresa e os nossos empreendimentos a potenciais compradores”, acrescenta.

A AFA trouxe ao Porto apenas o projeto mais recente, que é o “início de uma nova aposta na gama de luxo e um novo conceito”, destaca Ana Spínola. Trata-se do empreendimento Savoy Residence Casa Branca, que segundo a responsável, introduz no mercado imobiliário madeirense, um conceito de habitação moderna.  

O empreendimento, localizado a poucos minutos do centro do Funchal, é composto por 21 apartamentos, distribuídos por seis pisos, desde tipologias T1 a T4, onde todos os quartos de dormir têm casa de banho privativa. “Todos os apartamentos têm varandas e uma excelente exposição solar”, destaca. No piso um e piso quatro os apartamentos têm um jardim privado. Os preços são de 310 mil euros (T1) a 780 mil euros (T4). 

Balanço do SIP

Na opinião de um conjunto de profissionais presentes no SIP, os primeiros dois dias de realização do evento, quinta e sexta-feira, foram positivos e, em alguns casos, resultaram em bons contatos.  

Ao idealista/news, Tiago Amorim, consultor da RE/MAX Majestic, do grupo RE/MAX Dragão, destacou que “sexta-feira foi um dia muito positivo”, frisando “fiz alguns bons contatos”. O consultor, responsável pela comercialização de um prédio no Centro Histórico do Porto, constituído por 10 apartamentos, por T2 e T2 duplex, destaca o interesse e a atratividade do imóvel e o interesse que suscitou. 

Ana Ramos, da RE/MAX Class, Matosinhos – que participou pela primeira vez no evento – ficou satisfeita com a participação. “Já tive resultados concretos”, acrescentando que “a novidade e o ambiente descontraído”, do SIP foram os aspetos que a mais a cativaram. 

Anabela Araújo, consultora da ERA Braga Estação, considera que a sexta-feira foi um “dia interessante, pelos contatos realizados”. Contudo, destaca o facto de clientes “procurarem sobretudo imóveis localizados no Porto”, e não tanto, a oferta disponível em outras cidades. 

A consultora da ERA estava a promover o empreendimento Lofts da Sé, constituído por um conjunto de apartamentos a estrear, com preços a partir dos 85 mil euros. 

Já Maria do Céu Matos, consultora da Century 21 Rúbrica, localizada na Praça Dr. Francisco Sá Carneiro, no Porto, destaca o facto de ter conseguido “arranjar clientes finais”. Contudo, na sua opinião, sente-se que agora há, sobretudo, “uma maior procura em relação à construção nova”, que na sua opinião, se deve “aos preços exagerados dos imóveis usados”. 

Multiplicidade de eventos dificultou estadias  

A data de realização do SIP coincidiu com organização de grandes eventos na cidade do Porto, caso do NOS Primavera Sound - que teve o idealista como um dos patrocinadores oficiais - e da Liga das Nações da UEFA, o que levou a que alguns expositores e visitantes tivessem dificuldades acrescidas na marcação de viagens e de estadia nas unidades hoteleiras e ou de Alojamento Local. 

Este facto fez com que alguns dos expositores e interessados em visitar o SIP tivessem de reduzir a sua permanência no evento a apenas um dia ou mesmo a desistir da viagem, segundo informações recolhidas pelo idealista/news.