Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

REIT estão em mais de 35 países: somam capitalização de 1.647 mil milhões

Photo by Razvan Chisu on Unsplash
Photo by Razvan Chisu on Unsplash
Autor: Redação

Chegaram aos EUA nos anos 60, mas só há bem pouco tempo é que “aterraram” em Portugal – depois de muito reclamados pelos investidores. Os Real Estate Investment Trust (REIT), presentes em mais de 35 países, e que atuam em território nacional sob a designação de Sociedades de Investimento e Gestão Imobiliária (SIGI), totalizaram no primeiro trimestre do ano uma capitalização de 1.851 mil milhões de dólares, cerca de 1.647 mil milhões de euros à escala global.

O diploma inicial da SIGI - publicado em Diário da República a 1 de fevereiro de 2019 - mereceu forte oposição política na altura, acabando por ser aprovado no Parlamento depois de meses de discussão, mas com alterações. Ficou decidido que estas sociedades devem ter como atividade principal a aquisição de imóveis para arrendamento, ou seja, destinar pelo menos 75% dos ativos em carteira a esta atividade. O diploma já foi, de resto, promulgado pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Este tipo de veículos de investimento foi conquistando terreno um pouco por todo o mundo. De acordo com o relatório "Socimis. Estabilidade e investimento no setor imobiliário", elaborado pela consultora JLL e pela Bolsa de Valores e Mercados Espanhola (BME), citado pelo Eje Prime, os REIT já estão presentes em mais de 35 países. Nos mercados desenvolvidos, estes veículos somam 1.547 mil milhões de euros, com a América do Norte a acumular 66% da capitalização, com um total de 1.089 milhões. Segue-se a Ásia, com 18%, e a Europa, com 12%.

No Velho Continente a figura dos REIT está a consolidar-se a um bom ritmo, segundo o estudo. O valor total das empresas do setor ascendia a 8.100 milhões de dólares (7.211 milhões de euros), no final de 2018. Destes, 217.100 milhões de dólares (193.285 milhões de euros) foram canalizados através deste tipo de veículos. França, Holanda, Bélgica e Alemanha concentram 84% do valor de mercado, mas apenas 50% dos veículos.