Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Estamo vende palacete e edifício de escritórios em Lisboa à Splendimension por 22,6 milhões

Edifício de escritórios e serviços na Av. José Malhoa 11, Lisboa. / Estamo
Edifício de escritórios e serviços na Av. José Malhoa 11, Lisboa. / Estamo
Autor: Redação

O fundo de investimento Splendimension, gerido pela LYNX Asset Managers, acaba de fechar negócio com a Estamo para comprar um edifício de escritórios e serviços, localizado na Av. José Malhoa 11, e um palacete em Benfica. Estes dois imóveis públicos estavam à venda desde o início do ano e foram adquiridos à participada da Parpública, agora em setembro, por um total de 22,6 milhões, depois de o contrato de promessa de compra e venda ter sido assinado em junho. 

Com pouco mais de um ano de existência, o Splendimension – SICAFI, SA é um OIC -Organismo de Investimento Colectivo alternativo imobiliário fechado de subscrição particular sob a forma societária, e segundo o regulamento de gestão do produto, dirige-se exclusivamente a investidores qualificados. Criado em abril de 2018, este é um dos vários veículos de investimento geridos pela Lynx Asset Management. 

O edifício da Avenida José Malhoa, onde antes funcionava o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP), mudou de mãos por 16,5 milhões de euros, tal como é indicado na página oficial da Estamo. Construído na década de 80, é composto por 3 pisos abaixo do solo e 10 acima do solo. O imóvel conta com um PIP - Pedido de Informação Prévia de ampliação aprovado em 2013 e que está em revalidação com uma Área Bruta de Construção potencial de 13.931,62 m2. Está, por isto, prevista a sua reabilitação e ampliação, com reformulação do layout e incremento de 5 pisos no corpo poente.

Já o antigo Palacete na Estrada de Benfica, do século XIX, foi adquirido por pouco cerca de 6,05 milhões de euros, também segundo os dados publicados pela Estamo. Implantado num terreno com três frentes, deverá ser alvo de reabilitação no mesmo edifício do palacete, existindo ainda a possibilidade de ser aumentada a sua área com construção nova em cerca de 6 mil m2. O PIP foi aprovado em 2011 e encontra-se também, atualmente, em processo de revalidação. Destina-se a habitação, mas com possibilidade de ter também uma área dedicada a comércio ou serviços.