Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Fidelidade vende cinco imóveis – incluindo a sede em Lisboa – ao fundo Cerberus por 125 milhões

Objetivo da seguradora controlada pelo grupo chinês Fosun é concentrar serviços na sua futura sede.

Google Maps
Google Maps
Autor: Redação

O portefólio de cinco imóveis que a Fidelidade pôs à venda, entre eles a sede da seguradora no número 30 do Largo do Calhariz, no Chiado, em Lisboa, já tem dono. Trata-se do fundo norte-americano Cerberus, que pagou 125 milhões de euros pelo referido “pacote”, denominado Arya.

A notícia foi avançada pelo ECO, que adiantou que o contrato-promessa compra e venda está assinado, tendo sido depois confirmada pela seguradora controlada pelo grupo chinês Fosun. Mas sem revelar os valores envolvidos na transação. 

“O portefólio Arya é composto pela sede da Fidelidade, no Calhariz (19.835 metros quadrados), o Terminal K, em Santa Apolónia (6.630 metros quadrados), o edifício Marechal Saldanha (2.334 metros quadrados), o edifício Malhoa 13, na Praça de Espanha (com 5.924 metros quadrados) e a Galeria de Paris, no Porto, (com 12.882 metros quadrados)”, refere a seguradora em comunicado.

Segundo a empresa, a maioria dos prédios em causa estão “ocupados pelos seus serviços centrais e subsidiárias, mantendo-se a companhia como arrendatária desses imóveis até à conclusão da sua nova sede a edificar em Lisboa”, em Entrecampos, nos terrenos da antiga Feira Popular de Lisboa.

“Com esta operação a Fidelidade tem sobretudo em vista concentrar serviços dispersos por vários edifícios da cidade, permitindo consolidar a estratégia de afirmação da marca através de um novo edifício-sede aberto à comunidade, concebido em moldes inovadores quer em temos ambientais e arquitetónicos, quer em termos de funcionalidade e condições de trabalho”, lê-se no documento. 

O ECO acrescenta que o imóvel mais valioso do portefólio Arya é, de longe, a sede da própria seguradora, no número 30 do Largo do Calhariz, no Chiado. Só por este ativo o fundo Cerebrus pagou cerca de 80 milhões de euros, adianta a publicação, frisando que o imóvel tem potencial uso turístico, para escritórios, residencial e até retalho – além da Fidelidade, tem a Caixa Geral de Depósitos como inquilino. 

O fundo Cerberus está a apostar forte no mercado imobiliário português, tendo comprado em julho de 2019, por exemplo, uma carteira de imóveis do Novo Banco avaliada em cerca de 400 milhões de euros. Antes, no final de 2018, comprou o BES Vénétie ao Novo Banco e ainda em 2019 comprou uma carteira de imóveis no valor de 600 milhões ao Santander Totta.