Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Espanhóis da Incus Capital lançam fundo com 600 milhões para investir em imobiliário

Empresa diz que pode alocar “grande parte desse capital em Portugal”. Basta aparecerem “muito boas operações”.

Frank Busch on Unsplash
Frank Busch on Unsplash
Autor: Redação

A empresa espanhola de crédito de risco Incus Capital, que está presente em Portugal desde 2012, lançou um fundo com 600 milhões de euros, denominado Incus Senior Real Estate Credit Fund I, para investir no setor imobiliário em Portugal e Espanha. E são “vários os projetos” que têm na mira. 

O que faz, afinal, a Incus Capital? “Investimos em empréstimos ou obrigações e em projetos em que acreditamos. Somos contactados por equipas e investidores, com ideias muito claras em relação aos projetos que querem levar a cabo, e alocamos capital a esses bons projetos”, diz Tiago Brandão, responsável da empresa em Portugal, citado pela ECO.

Segundo o responsável, o balanço da operação da Incus Capital em Portugal é “bastante positivo”, mas é altura de apostar ainda mais forte no setor imobiliário, daí a criação do Incus Senior Real Estate Credit Fund I, um fundo com 600 milhões de euros “para operações especificamente em imobiliário” na Península Ibérica. O primeiro negócio já aconteceu, em Madrid, avaliado em cerca de 30 milhões de euros.

“Não temos nenhuma restrição nem nenhum limite de concentração para investir em Portugal. Se aparecerem muito boas operações, poderemos alocar grande parte desse capital cá”, adiantou Tiago Brandão, frisando que Portugal é “extremamente importante” para a empresa. 

Os segmentos de escritórios e residencial são os que mais interessam à Incus Capital. No primeiro caso, a empresa pretende “oferecer área” aos potenciais inquilinos, já que há falta de espaços, e no caso so segmento residencial Tiago Brandão limita-se a dizer que a empresa tem “várias coisas em mira”. 

“Temos condições mais flexíveis e isso permite que muitos investidores necessitem de pôr menos capital [do que poriam num crédito bancário]. A fatia de risco deles é reduzida porque é passada para nós”, revela, citado pela publicação.